easyJet desiste de processar a EasyFly pelo uso da palavra ‘easy’ no nome


A easyGroup Holdings, proprietária da easyJet e de outras marcas registradas com a palavra “easy” no nome, optou por entrar em um acordo com a EasyFly da Colômbia. O grupo europeu tenta, há anos, fazer com que a colombiana deixe de usar o “Easy” em seu nome.

O easyGroup processou a transportadora colombiana, bem como os sites de viagens Kayak, Skyscanner e Kiwi.com, em janeiro de 2020, acusando-a de lucrar com a suposta violação de sua família de 19 marcas registradas devido à semelhança com seu nome. Os sites de viagens foram acusados ​​de lucrar ilegalmente, promovendo os bilhetes da EasyFly por meio de seus sites de comparação de preços, mas foram posteriormente liberados do caso.

Foto: divulgação

Antes disso, anos trás, o EasyGroup inicialmente agiu contra a EasyFly em Londres, mas perdeu o processo. Depois, moveu-se para a Flórida, alegando que a EasyFly aceitava pagamentos de clientes dos Estados Unidos. Como no caso de Londres, a Easyfly tentou em abril que o processo nos Estados Unidos fosse arquivado por falta de jurisdição, mas não teve sucesso. 

Finalmente, em 4 de agosto de 2021, o easyGroup notificou o tribunal em Miami de que planeja resolver a questão fora do tribunal. As duas partes foram instruídas a submeter um acordo final por escrito dentro de 30 dias.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Presidente de Moçambique inaugura um aeroporto com seu próprio nome e...

0
É o primeiro aeroporto na província de Gaza, contando com uma pista de 1,8 km e capacidade de receber cerca de 220 mil passageiros por ano.