Em 10 dias e 11 paradas, a longa jornada de um ATR-72 da Terra Média rumo à nova casa

Foto de Ken Fielding, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia

A companhia aérea Air New Zealand devolveu recentemente um dos seus mais antigos ATR-72-500. Com 18 anos de operações, chegou a vez do ZK-MCY (msn 703) deixar Média (fazendo aqui uma alusão ao filme do Hobbit, gravado na Nova Zelândia), com 11 paradas em 10 dias, até chegar a Toulouse.

Ao longo de quase duas semanas, o turboélice percorreu mais de 20 mil quilômetros desde a cidade de Auckland, na Nova Zelândia, até Toulouse, na França, onde está localizada a fábrica da Airbus e da ATR, e onde ele será armazenado. Cada perna do voo teve uma média de 2.000 quilômetros, ou seja, dentro da autonomia da aeronave, considerando que ela voava vazia.

Naturalmente, esse não é o primeiro ATR-72 da frota da Air New Zealand a fazer um voo tão longo, já que a companhia possui um total de 28 aeronaves do modelo na frota, mas ilustra de maneira bastante interessante como funcionam os voos de traslado em aeronaves menores.

Com a ajuda do GCMaps, traçamos toda a rota da aeronave, que passou por 10 países até que chegasse ao seu novo local de descanso. A devolução, no entanto, já era planejada, pois a aeronave ficou estacionada em Auckland desde fevereiro de 2020, ou seja, antes de ser declarada a pandemia. O motivo da parada é a substituição por modelos mais novos, que têm chegado direto da fábrica.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias