Em iniciativa inédita, KLM vai testar aviões movidos a café

Como se fosse gasolina, há aqueles que se levantam e não são ninguém até tomarem uma boa xícara de café. E, embora tenhamos visto recentemente que esta bebida não é uma boa companhia para os pilotos, pelo menos no A350, a KLM testará sua utilidade como um biocombustível para alimentar seus aviões.

O biocombustível concentra muitos dos esforços da indústria, que busca alternativas sustentáveis e menos poluentes ao querosene tradicional. E a KLM tem se enveredado por esse caminho há alguns anos. Mas é a primeira vez que a empresa faz isso usando residuos da indústria cafeeira.

Café

Na semana passada, a companhia aérea holandesa assinou um acordo com a empresa italiana Lavazza como parte de seu programa de combustível biológico. O alvo é fornecer material orgânico para produzir combustível que pode impulsionar as aeronaves e também reduzir as emissões em até 85%, em comparação com o querosene tradicional.

Assim, a indústria italiana fornecerá restos de café – que serve 27 bilhões de xícaras anualmente em todo o mundo – para fazer biocombustível.

Segundo a KLM, a produção de combustíveis de médio e longo prazo para aviação sustentável é “fundamental para a redução de CO2 no setor. Ao colaborar com empresas como a Lavazza”, explicou o vice-presidente para a Europa do grupo franco-holandês, Barry ter Voert, “podemos alcançar nossos objetivos muito mais rapidamente”.

Algumas metas incluem aumentar a disponibilidade de combustível sustentável em larga escala e fazê-lo chegar a preços tanto ou mais competitivos do que os combustíveis fósseis tradicionais.

A cooperação entre a KLM e lavazza faz parte da iniciativa Fly Responsibly da KLM.

Primeiro italiano no desafio da KLM

Com mais de 120 anos de história desde sua fundação, em 1895, por Luigi Lavazza, a empresa é uma das grandes italianas dedicadas ao café premium e será a primeira da Itália a aderir ao programa de biocombustíveis da KLM.

O objetivo é definir um compromisso com a sustentabilidade. Nas palavras de seu diretor de relações institucionais, Mario Cerutti, seria sobre “implementar a sustentabilidade em toda a cadeia de valor”.

“Hoje não basta agir sozinho, mas um esforço global é necessário entre todos os players do mercado”. É necessário, em sua opinião, agir “de forma transversal” enquanto “cabe às empresas líderes dar o primeiro passo”.

Combustível sustentável

A KLM é uma companhia aérea comprometida com a sustentabilidade do setor. Desde 2011, de acordo com seus dados, está comprometida com a aviação sustentável e atualmente é a única companhia aérea europeia que usa biocombustível em voos intercontinentais, de acordo com seus dados.

Em maio passado, a empresa se comprometeu a usar 75.000 toneladas de combustível sustentável por ano durante um período de 10 anos.

Em resposta ao seu compromisso, a principal empresa de produção de combustível sustentável do mundo, skyNRG, construirá a primeira usina de querosene limpo para aviação na Europa em Delfzijl, nos Países Baixos.

A Air France-KLM também liderou o ranking de sustentabilidade do índice Dow Jones na categoria aérea desde setembro de 2019.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.