Início Variedades Conhecemos o Fokker 100 que virou restaurante em Brasília

Conhecemos o Fokker 100 que virou restaurante em Brasília

A recuperação de um Fokker 100 da Avianca Brasil resultou num dos novos atrativos da Capital Federal, uma verdadeira experiência sensorial que visa a relembrar dos anos de ouro do setor aéreo global. Compartilhamos aqui nossa “viagem” com a Pan Am Experience.

Desde o início do ano passado temos acompanhado a jornada do Fokker 100 que se transformou num restaurante em Brasília, e agora, finalmente, podemos ver o resultado deste trabalho, que foi desenvolvido por Ricardo Espíndola e membros da Igreja Batista Central (IBC) de Brasília.

De onde veio a ideia

Tudo começou numa festa da Igreja em 2019, quando criativamente os membros decidiram construir uma espécie de maquete em formato de fuselagem de avião e colocar assentos de uma aeronave real em seu interior. O objetivo era que as pessoas pudessem ter uma pequena experiência do que seria voar na época de ouro da aviação.

O projeto deu tão certo que foi expandido para visita escolares, mas havia o sentimento de que existia ali um bom potencial e que algo maior poderia ser feito. A ideia avançou depois que empresários doaram a carcaça do jato Fokker 100 para a Igreja Batista, que decidiu investir para criar uma verdadeira experiência, na qual embarcamos neste final de semana.

O nosso voo vai começar

Em nosso “voo virtual”, o destino seria o Aeroporto JFK, em Nova Iorque, principal porta de entrada para estrangeiros nos EUA e hub da Pan Am. Como dita o rito dos voos, fizemos nosso check-in às 19h30 para o voo cujo embarque iniciava às 20h10.

Cartão de embarque entregue, fomos acomodados num dos ambientes do edifício transformado em Sala VIP da First Class, e contava com bebidas, música ambiente e uma TV com as informações do nosso “voo”.

Nosso embarque começou pontualmente e fomos bem recebidos, logo na entrada, com o tapete da Pan Am estendido no chão. Subindo as escadas, o comandante nos recebeu e orientou para nosso assento, o 10C na Business Class. A tripulação daquele voo seria composta por Aldrin, Daniel, Brenda, Taty, Renato, Anderson, Dhimylee e Andrea.

A First Class é composta de assentos mais largos e na configuração 2-2, já a Business Class é na configuração 3-2, e com um espaço generoso. Logo após me acomodar no assento, fui recebido com champagne, tradicional da Primeira Classe e da Executiva, e que deu uma nostalgia dos voos internacionais. Então, foram distribuídas toalhas quentes, ótimas para relaxar as mãos e rosto, realmente preparando-nos para um “voo internacional”.

Após o serviço inicial, foram passadas as instruções de segurança de voo e entregues os cartões de segurança junto dos menus. Já quase prontos para decolagem, os monitores da aeronave passaram um vídeo do táxi e decolagem de um Fokker 100. As caixas de som são bem posicionadas e só fica faltando a sensação de força G para que a experiência seja idêntica a um voo.

O nosso serviço de bordo

Após estabilizarmos em voo de cruzeiro, foi iniciado o serviço de bordo, no qual contamos com uma entrada de Salada Caesar e pães, servidos em talhares originais da Varig e Vasp, dando outra nostalgia. No serviço de bebidas havia vinhos, refrigerantes e sucos.

Mais adiante foi servido o prato principal, também serviço em louças “aeronáuticas”, no caso o prato era um Steak Diane acompanhado de macarrão Tagliatelle. A comida apetitosa foi elaborada pelo chef Guilherme Alcântara, que também estava a bordo.

De sobremesa, foi-nos oferecido um Crumble de Maçã, também muito saboroso.

Satisfeitos com o serviço, concluímos nosso voo no lounge a bordo – há um para cada classe. Ali foi possível apreciar as conhecidas Mimosas e também mais alguns aperitivos, encerrando nossa viagem com grande estilo.

No total o “voo” dura 2 horas e 30 minutos, mas o tempo passa voando, literalmente. Como dita a regra da pandemia, o desembarque foi realizado por fileiras e muitas pessoas aproveitaram para tirar foto nas cadeiras espaçosas da área externa da aeronave. Obviamente, o fundo convida para uma foto de recordação.

E aos passageiros que tiverem interesse nesta experiência, é possível entrar no site da Pan Am Experience Brasil e fazer uma reserva. Para setembro, não há mais lugares, mas as passagens de outubro, que têm Roma como destino, já estão com vendas abertas.

Agradecemos à Pan Am Brasil pela experiência.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A