Embraer conversa ativamente com potenciais parceiros para novo avião turboélice

Imagem: Embraer

A Embraer apresentou no final de outubro algumas imagens que mostram o conceito do seu novo avião turboélice, que deverá entrar em serviço até 2027. A empresa pretende lançar a nova máquina nos anos seguintes, mas, antes disso, procura parcerias que vão além de fornecedores, mas algo no estilo joint-venture, para um desenvolvimento conjunto do novo avião.

Nomes não foram revelados, mas, segundo uma nova matéria da Reuters, a fabricante brasileira de aeronaves mantém negociações ativas com potenciais parceiros, que podem vir na forma de apoio financeiro ou até mesmo industrial. O desenvolvimento da nova aeronave pode custar cerca de US$ 2 bilhões.

A guinada é parte da estratégia da Embraer para os próximos anos, após ter visto o acordo com a Boeing se desfazer no início desse ano, numa disputa que terá ainda muitos capítulos judiciais. Enquanto isso, a empresa segue vendo seu futuro no mercado de aeronaves regionais para até 150 passageiros, terreno competitivo e no qual a Airbus tem levado a melhor em número de encomendas nos últimos anos.

“Estamos ativamente em negociações com parcerias, mas não posso entrar em mais detalhes agora”, disse o presidente-executivo da aviação comercial, Arjan Meijer, em entrevista.

Além de reentrar num mercado de alto potencial para o futuro, os turboélices deverão ser o primeiro modelo de aeronave a ter motores híbridos, elétricos ou totalmente movidos por combustíveis “verdes”, o que pode resultar num trunfo de sucesso. Uma parceria europeia poderia ser bem vinda, na medida em que empresas aéreas, principalmente do Velho Continente, buscarão cada vez mais por um transporte aéreo sustentável.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias