Embraer deve ficar com 19,99% da nova empresa com a Boeing

As conversas entre a Boeing e a Embraer, que também envolvem o governo do Brasil, estão em um estágio avançado, informou o jornal O Estado de S. Paulo na última quinta-feira (20/04), citando fontes não identificadas.




A parceria entre a Boeing e a Embraer criaria uma nova empresa na qual a fabricante de aviões dos EUA teria uma participação de 80,01% e a brasileira 19,99%, disse o jornal, acrescentando que esse é um modelo apoiado pelo governo brasileiro. Embora as conversas estejam caminhando bem, o acordo não deve ser fechado e anunciado na próxima semana porque o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, estará fora do País.

Os dois fabricantes de jatos disseram em dezembro que estavam discutindo “uma combinação potencial”, mas o governo brasileiro, que tem poder de veto sobre as medidas estratégicas da Embraer, precisa aprovar o acordo.

O jornal disse que um dos pontos ainda em discussão foi a nomeação de um representante do governo para o conselho da nova empresa. A Boeing é contra isso, disse o Estado, mas o governo brasileiro está insistindo a mudança.

A joint venture incluirá apenas a operação de jatos comerciais da Embraer e excluirá seus negócios de jatos executivos e de defesa. A expectativa inicial da Boeing era incluir todas as três unidades de negócios da Embraer no tie-up, disse o jornal.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.