Embraer E2 foi rebocado da pista após pane de trem de pouso em Campo Grande

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Embraer E195-E2 Azul Linhas Aéreas
Embraer E195-E2 da Azul Linhas Aéreas

Um jato da nova geração E2 de aviões da Embraer enfrentou um imprevisto ao pousar em Campo Grande (MS), precisando ser rebocado da pista em decorrência de uma pane de sistema de trem de pouso.

A aeronave envolvida foi o E195-E2 registrado sob a matrícula PS-AED, operado pela Azul Linhas Aéreas, quando realizava no dia 8 de janeiro o voo de número AD4282, que partiu do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).

Segundo dados do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), havia 142 pessoas a bordo, sendo 5 tripulantes e 137 passageiros, e ao pousar o jato apresentou aos pilotos a mensagem ‘STEERING INOP’ em seu painel, ou seja, o sistema de controle direcional do trem de pouso de nariz estava inoperante.

A tripulação efetuou os procedimentos descritos no manual de referência rápida da aeronave (QRH – Quick Reference Handbook), definidos pelo fabricante para a pane apresentada, e a parada total da aeronave foi realizada ainda sobre a pista em uso, segundo o CENIPA, sem que fosse declarada emergência.

Sem solução possível a partir das informações e procedimentos do manual e sem conseguir atuar no controle direcional de solo, foi solicitado equipamento para rebocar a aeronave da pista até o pátio.

Dados do FlightRadar24 mostram que o PS-AED ficou por 15 minutos parado no final da pista até começar a ser movido pelo veículo de solo, das 09:13 às 09:28 (horário local):

O E2 parado ao final de pista de Campo Grande – Imagem: FlightRadar24

A pane não demorou muito a ser resolvida pela equipe de manutenção da companhia, tendo o E195-E2 partido de volta para Campinas às 11:53 no voo AD4703, que em condições normais partiria às 09:50.

Um problema como este, apesar de deixar o piloto sem controle direcional no solo, apenas o afeta em baixa velocidade, pois a partir de certa velocidade as forças aerodinâmicas atuantes na cauda permitem que o controle seja feito com a deflexão do leme.

Adicionalmente, os freios nas rodas do trem de pouso principal também podem ser usados para auxiliar no direcionamento, ao serem aplicados de forma desigual entre cada lado (cada pé do piloto atua o freio de cada lado da aeronave). Assim, mesmo com o ‘steering’ inoperante, é possível controlar com segurança a direção do avião na pista durante o pouso.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias