Início Empresas Aéreas Emirates Airline encerra rumor e confirma desligamento de funcionários

Emirates Airline encerra rumor e confirma desligamento de funcionários

Notícias divulgadas em meados de maio e publicadas por grandes veículos como Bloomberg e Reuters começavam a trazer indícios de que a icônica empresa aérea de Dubai planejava demitir uma parcela dos seus colaboradores. Hoje, a Emirates Airline confirmou.

Avião Airbus A380 Emirates
Imagem: Emirates

Talvez você se lembre que a Reuters informou, no meio do mês de maio, que uma das empresas nacionais dos Emirados Árabes Unidos planejava demitir cerca de 30.000, dos aproximadamente 105.000 funcionários, em decorrência dos desdobramentos provocados pela pandemia do novo coronavírus nos negócios da aérea árabe.

Na época, também surgiram rumores sobre a retirada de serviço imediato de 46 unidades do superjumbo A380 da frota da empresa, os quais foram parcialmente negados pelo presidente da Emirates Airline, Tim Clark, numa entrevista ao Financial Times. Como o executivo não foi categórico nas suas alegações, restou um suspense no ar.

Na tarde de ontem (31), vazou na mídia um comunicado interno encaminhado pela empresa a uma parte de seus pilotos em treinamento, onde a aérea falava dos desligamentos já no dia 15 de junho. Mas era apenas a ponta do “iceberg”.

Agora, nesta segunda-feira (1), de acordo com o portal FlightGlobal, a empresa emiradense confirmou que fará cortes em uma parcela do seu time. A decisão teria sido tomada após revisão dos possíveis cenários da crise. “Infelizmente, temos que dizer adeus a algumas das pessoas maravilhosas que trabalharam para nós”, declarou a empresa.

Segundo a aérea, decisões difíceis de serem tomadas estão sendo forçadas pela avaliação da situação atual, por conta da necessidade de adaptação da companhia ao atual momento crítico vivenciado.

A Emirates não falou em números de cortes, mas reiterou estar fazendo o possível para proteger empregos, tendo deixado claro o quanto está sendo difícil o momento atual para a companhia. “Onde formos forçados a tomar decisões difíceis, trataremos as pessoas com justiça e respeito. Trabalharemos com os funcionários impactados para garantir que eles sejam cuidados da maneira adequada”, disse a empresa.