Emirates encontra uma forma de manter sua rota mais premium: fazer só voos de ida

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Após a decisão do governo britânico de proibir viajantes provenientes dos Emirados Árabes Unidos, a companhia árabe Emirates havia suspendido todos os seus voos nas rotas para o Reino Unido, mas agora a estratégia foi repensada e a companhia vai começar a operar voos só de ida para Dubai, começando na terça-feira (2). Isso significa que a perna do voo de Dubai para Londres irá sem passageiros.

De acordo com o Business Traveller, um porta-voz da companhia aérea disse que “inicialmente, a operação incluirá um voo diário de Londres e quatro semanais de Manchester. Os serviços de Birmingham e Glasgow continuarão sendo apenas de carga”.

A proibição de viagens entrou em vigor na terça-feira passada devido ao temor de que uma variante do COVID-19 da África do Sul estivesse presente nos Emirados Árabes Unidos e pudesse ser levada para o Reino Unido. As autoridades britânicas avisaram aos viajantes com menos de 24 horas de antecedência antes de a proibição de voos diretos entrar em vigor e os que ficaram presos foram instruídos a voltar para casa por um terceiro país.

A medida da Emirates segue o exemplo da vizinha Etihad Airways, que opera voos só de ida desde que a proibição entrou em vigor.

Antes da pandemia, a Emirates possuía sete voos diários para Londres, seis dos quais operados pelo Airbus A380. A rota é a mais premium da empresa árabe, inclusive um dos voos leva o código de voo EK1. Os mais recentes produtos da companhia geralmente são destacados para serem lançados nesses serviços.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias