Emirates não tem data para voltar a voar do Rio de Janeiro para o Chile

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Boeing 777 Emirates
Boeing 777 © Emirates

A companhia árabe Emirates Airline informou hoje que não tem data para retonar ao Chile, numa rota que se estendia a partir do Brasil.

Segundo Ricardo Delpiano, do portal Aero-Naves, a empresa de Dubai informou que não tem prazo para voltar à capital chilena. A operação para o país andino era feita com o Boeing 777, após uma parada no Rio de Janeiro.

“Santiago do Chile é uma das tantas cidades onde as operações da Emirates permanecem suspendias devido às restrições de viagem ou voo relacionadas com a pandemia da Covid-19. A Emirates segue comprometida com o Chile e esperamos reiniciar as nossas operações em Santiago quando for comercialmente e operacionalmente viável”, afirmou a companhia em nota.

O último voo da empresa foi em março, sendo que a rota foi lançada em julho de 2018, tendo inicialmente feito paradas em São Paulo, sendo posteriormente a escala trocada para o Rio de Janeiro.

Vale lembrar que nesta escala era possível o embarque de passageiros rumo ao Chile, assim como eram vendidas passagens de Santiago para o Rio de Janeiro. Outra rota que utiliza este mesmo esquema é para Buenos Aires saindo do Rio, que intercalava com a do Chile. Até agora, os voos na capital argentina devem ser retomados assim que a pandemia passar.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Avião Boeing 737-700 Gol Linhas Aéreas

Após solicitação do SNA, Gol retomará transporte para tripulantes entre aeroportos

0
A medida vem poucos dias depois que o SNA enviou ofício à empresa afirmando que tripulantes relataram falta de transporte terrestre.