Início Empresas Aéreas Emirates perdeu dinheiro pela primeira vez em 30 anos

Emirates perdeu dinheiro pela primeira vez em 30 anos

Imagem: Emirates

O Grupo Emirates anunciou na segunda-feira (14) seu primeiro ano de perda em mais de 30 anos, causada por uma queda significativa na receita, totalmente atribuída ao impacto das restrições de voos e viagens relacionadas à Covid-19 durante todo o ano financeiro de 2020-2021.

O Grupo Emirates divulgou seu Relatório Anual 2020-2021, mostrando perda de US$ 6,0 bilhões no ano financeiro encerrado em 31 de março de 2021, em relação ao lucro de US$ 456 milhões no ano anterior.

Pela primeira vez na história do Grupo, foram implementadas demissões em todas as partes do negócio. Com isso, a força de trabalho total do Grupo foi reduzida em 31%, chegando a 75.145 colaboradores, contra 105 mil que tinha no final de 2019.

Mudanças de frota

A capacidade total de carga e passageiros da Emirates diminuiu 58%, devido às restrições de viagens e voos relacionadas à pandemia, além da suspensão completa dos voos comerciais de passageiros por quase oito semanas, conforme determinado pelo governo dos Emirados Árabes Unidos em 25 de março de 2020.

A Emirates recebeu três novas aeronaves A380 durante o ano financeiro e retirou 14 aeronaves mais antigas de suas operações: 9 aeronaves Boeing 777-300ER e 5 aeronaves A380; desta forma, sua frota total contava com 259 aeronaves no final de março. A idade média da frota da Emirates permanece em 7,3 anos.

Durante o ano, a Emirates reestruturou com sucesso vários arrendamentos e empréstimos de aeronaves.

Avião Airbus A380 Emirates
Imagem: Emirates

Os pedidos da Emirates para 200 aeronaves permanecem inalterados no momento. A companhia aérea permanece comprometida com sua estratégia de operar uma frota moderna e eficiente, o que reforça a promessa da sua marca “Fly Better”, já que as aeronaves jovens são melhores para o meio ambiente, para as operações e para os clientes.

Trabalhando com estreita colaboração dos grupos envolvidos na aviação para projetar e implementar medidas de biossegurança, a Emirates restaurou gradualmente sua rede de passageiros e conectividade em seu hub a partir de meados de junho de 2020, quando os Emirados Árabes Unidos reabriram para viajantes em trânsito e, posteriormente, para visitantes internacionais.

Durante o ano, a Emirates reativou sua parceria estratégica de codeshare com a flydubai, e firmou acordos com os novos parceiros TAP Air Portugal, FlySafair e Airlink na África do Sul, para expandir a conectividade de seus clientes. A Emirates foi de zero voos regulares de passageiros no início do ano financeiro a operações para mais de 120 destinos em 31 de março de 2021.

A Emirates investiu para atualizar a experiência em sua aeronave A380 com novos assentos da Premium Economy e outras melhorias em seus produtos. Para os passageiros frequentes, a Emirates Skywards ofereceu uma extensão do status e validade das milhas até 2022 e lançou várias iniciativas para ajudar seus associados a acumular milhas e resgatar prêmios, mesmo que não possam viajar imediatamente.

Hora da carga

Por outro lado, a Emirates SkyCargo relatou desempenho extraordinário, respondendo rapidamente à nova demanda do mercado global, contribuindo com 60% da receita total de transporte da companhia aérea.

A Emirates SkyCargo ampliou suas operações e reconstruiu sua rede de transporte de carga para atender à forte demanda de despachantes de carga que enfrentaram uma crise de capacidade quando a pandemia forçou as companhias aéreas a reduzir drasticamente os voos.

A transportadora complementou sua capacidade em cargueiros colocando em serviço 19 “minicargueiros” – aeronaves de passageiros Boeing 777-300ER modificadas com assentos removidos da cabine econômica para abrir espaço para o transporte de mercadorias. A divisão de carga também introduziu novos protocolos de transporte de carga para usar com segurança os compartimentos superiores e os assentos de passageiros para o transporte de carga.

Além de apoiar as cadeias de abastecimento globais de alimentos, produtos médicos e outros itens comerciais, a Emirates SkyCargo também usou suas capacidades e infraestrutura para produtos farmacêuticos e ajudou na distribuição mundial de vacinas contra a Covid-19 e produtos de emergência para causas humanitárias no Líbano após as explosões no Porto de Beirute.

Em outubro, a Emirates SkyCargo montou um hub no aeroporto de Dubai certificado pelas normas de distribuição para vacinas contra a Covid-19 e, posteriormente, fez parceria com a UNICEF para facilitar o transporte rápido das vacinas contra a Covid para países em desenvolvimento passando por Dubai.

Com a forte demanda de transporte aéreo de carga ao longo do ano, a divisão de carga da Emirates registrou receita de US$ 4,7 bilhões, um aumento de 53% em relação ao ano anterior.

O Relatório Anual 2020-2021 completo do Grupo Emirates, incluindo dados da Emirates, dnata e suas subsidiárias, está disponível em: www.theemiratesgroup.com/annualreport