Empresas evitam sobrevoar Belarus após o caso com o Boeing 737 da Ryanair

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Empresas aéreas já começaram a desviar seus voos e fazer anúncios oficiais de que não sobrevoarão Belarus, conhecido em português como Bielorrússia, após o polêmico caso com o Boeing 737 da Ryanair sobre o país do leste da Europa.

Como temos acompanhado, no domingo, 23 de maio, o voo de número FR-4978 com o Boeing 737-800 de matrícula SP-RSM foi estranhamente desviado para a capital bielorrussa quando já estava prestes a cruzar a fronteira do país e próximo de chegar a seu destino na Lituânia.

O assunto efervesceu na mídia global depois que se soube o motivo real do desvio: a prisão, assim que o avião pousou por ordem do governo, do jornalista Roman Protasevich, ex-editor-chefe do Nexta, opositor do governo bielorrusso, que estava a bordo da aeronave

Como vimos ainda hoje, dia 24, organizações internacionais da aviação, como ICAO e IATA, posicionaram-se criticamente condenando a atitude de interferência no voo por motivos políticos, assim como também o fez o governo dos Estados Unidos, enquanto Belarus afirma oficialmente que a prisão foi apenas uma coincidência após um desvio supostamente não forçado da aeronave.

E além das organizações, várias empresas aéreas passaram a optar por não sobrevoar o país. Plataformas de rastreamento de radar mostram vários voos contornando a fronteira do Belarus, como a Austrian Airlines, no voo AUA-601 dessa segunda-feira, registrado pelo RadarBox:

O voo da Austrian Airlines evitando o espaço aéreo do Belarus – Imagem: RadarBox

Algumas das empresas, como a airBaltic, chegaram a emitir comunicado oficial. A empresa aérea da Lituânia afirmou em seu anúncio que “decidiu evitar entrar no espaço aéreo do Belarus até que a situação se torne clara ou uma decisão seja emitida por autoridades”.

A decisão da airBaltic foi baseada em comunicado da Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA), que no domingo recomendou cuidado às empresas aéreas ao voarem para ou sobre Minsk.

Outra empresa aérea é a polonesa LOT Polish Airlines, que, segundo o portal local RMF24, anunciou hoje que está “atualmente preparando cenários alternativos para conexões que ocorrem ao longo do território da Bielorrússia”.

Aviões da húngara Wizz Air também foram vistos contornando Belarus em seus voos, embora a companhia aérea não tenha emitido comunicado oficial sobre a decisão.

O voo da Wizz Air contornando o país nesta segunda-feira – Imagem: RadarBox

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Está entregue o último avião 747-8F da maior operadora do modelo...

0
A contagem para o fim da produção de um dos mais longevos e bem sucedidos projetos da história da aviação, a família Boeing 747, avançou.