Espera-se que a ‘Nova Alitalia’ decole com metade da frota e de funcionários

Embora a Alitalia já esteja voando, ela ainda tem alguns passos a percorrer até que sua nova estrutura (da Italia Trasporti Aereo Spa – ITA) seja totalmente implementada. A agenda está cheia nessa semana e decisões serão tomadas, embora espera-se que o processo de mudança estrutural seja concluído apenas no primeiro trimestre do próximo ano.

A reportagem do jornal italiano Corriere della Sera analisou com mais detalhes o que é esperado dessa futura estrutura, que promete sanitizar a operação da empresa e torná-la eficiente e lucrativa.

A primeira conclusão é que a nova Alitalia terá metade do número de aeronaves e pessoal em relação à atual, o que significa um corte de cerca de 5.000 pessoas e de 50 aeronaves, num primeiro momento. Embora esse seja um esboço que ainda pode passar por alterações, o caminho a ser trilhado deve estar alinhado a isso. O plano final, que delineia cada etapa de implementação da ITA, deverá ser conhecido no dia 21 de dezembro.

A frota deverá ser reduzida a 51 aeronaves, incluindo 5 Embraer E190, 40 Airbus A319 e A320 e 6 Boeing 777 (sendo cinco 777-200ER e 1 777-300ER). Estas aeronaves permaneceriam na frota até sua renovação, aguardada para 2022-2023. Com uma estrutura mais eficiente, a ideia do plano é agressiva, visando dobrar o número de aeronaves até 2026, chegando a 104.

Se a empresa voltar a crescer, voltam as contratações e mais rotas vão sendo incluídas. Em nível intercontinental, a ITA pretende voar de Roma a Nova York, Los Angeles, São Paulo, Buenos Aires e Tóquio. Estes são – explicam as fontes – mercados sólidos para a empresa.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Mercado de novos aviões será de US$ 200 bilhões na Rússia,...

0
Os países da região precisarão de 1.540 novos aviões avaliados em US$ 200 bilhões nos próximos 20 anos, segundo a análise da Boeing.