Estacionamento cobra R$12 mil de passageira que deixou o carro por meses devido à Covid

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Uma passageira, cujo veículo se encontra em um estacionamento há muitos meses próximo ao Aeroporto Internacional Pearson, de Toronto, Canadá, devido à pandemia, diz que está sendo forçada a pagar taxas de 2.800 dólares canadenses, o equivalente a cerca de 12 mil reais, se quiser de volta seu carro.

Segundo reporta o Click On Detroit, a norte-americana Kim Richardson deixou seu veículo no local em 11 de março de 2020, quando voou de Toronto para a Europa para se submeter a um procedimento médico.

Ela disse que originalmente pagou $ 100 dólares para deixar seu veículo pelo período de duas semanas em que deveria estar no exterior, mas quando as restrições de fronteira entraram em vigor devido à pandemia de COVID-19, ela retornou direto para Detroit, nos Estados Unidos.

Kim disse que, quando voltou para casa, ela entrou em contato com o estacionamento várias vezes para avisar que não poderia ir a Toronto, mas apenas recebeu um e-mail genérico em resposta.

“Eu sabia que meu carro ainda estava parado, mas não tinha como pegá-lo ou contatá-los”, disse Kim.

Ela disse que depois de vários meses sem receber informações sobre seu carro, recebeu um telefonema do dono do estacionamento. “Finalmente, ele me ligou há cerca de um mês e começou a me dizer que custaria $ 2.800 para ele liberar meu carro. Expliquei a ele que tentei mandar um e-mail, ligar para ele, mas ele me surpreendeu e disse: ‘Você vai pagar os $ 2.800 ou não vai receber seu carro de volta’.”

Contactado por jornais locais, o proprietário do estacionamento não quis fornecer seu nome, alegando que essa história gerou ameaças por telefonemas de estranhos.

Ele afirma que Kim só o contatou há um mês e meio sobre o veículo dela e que a conta pelos 11 meses que o carro esteve estacionado é de $ 2.000 e não $ 2.800.

Ele contesta a versão de passageira e diz que também tem despesas e foi duramente atingido pela pandemia, precisando pagar suas contas. O proprietário ainda afirma que Kim deve contratar uma empresa canadense de reboque para levar o carro até a fronteira com os Estados Unidos.

Kim acha injusta a decisão dele, ainda mais por seu carro ser antigo, um Honda Element de 2004, e valer menos do que o próprio valor sendo cobrado: “Não vou pagar nada além do que o carro vale para tirá-lo do estacionamento, quando não está custando nada para ele deixá-lo lá. Tenho empatia por ele, entendo que está perdendo dinheiro com a pandemia. Mas se ele tivesse me contatado de volta ou respondido minhas comunicações logo no início, poderíamos ter resolvido isso.”

Ela disse que algumas pessoas sugeriram que ela voasse para Toronto para pegar seu veículo, mas ela não pode fazer isso devido às restrições de viagem e porque tem um filho de três meses. “Minhas mãos estão atadas. Eu não posso cruzar a fronteira. E para mim, expor-me à COVID pegando um voo e depois trazendo o vírus para minha família, não vale a pena”, disse ela.

Enquanto isso, o carro coberto de neve ficará no estacionamento, que atualmente está fechado. “Eu realmente não acho que seja justo”, disse Kim. “Estou muito frustrada. Tem que haver algum tipo de solução, sem que nenhum de nós ceda totalmente.”

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias