Estacionamento da Disney World esconde a pista de um aeroporto desativado

Pista do Walt Disney Airport em seus primeiros momentos: 610 metros de extensão e sem grande infraestutura. IMAGEM: SNOPES.com

Em 1º de outubro de 2021,o mega parque Walt Disney World, em Orlando, nos Estados Unidos, completa 50 anos de funcionamento. O quinquagenário resort ainda guarda curiosidades pouco conhecidas do grande público, como a pista de um antigo aeroporto escondida no estacionamento do reino mágico de Mickey Mouse.

Inaugurado em 1971, o Walt Disney World Airport, também conhecido como Lake Buena Vista Airport e Lake Buena Vista STOLport fazia parte dos planos originais de operação do parque. Era localizado no complexo do resort, ao lado do estacionamento principal do Magic Kingdom.

A pista, de 610 metros de extensão por 30 de largura recebia exclusivamente aeronaves executivas. Também chamado de aeroporto STOL (“Short Take Off and Landing”) servia como base para serviços de conexão aérea entre o parque e os Aeroportos Internacionais de Orlando e de Tampa, por meio de um turboélice De Havilland Canada DHC-6 Twin Otter, operado pela empresa regional Shawnee Airlines.

Imagem: Google Earth

Promissor

O público-alvo eram turistas e executivos que visitavam o parque e que tinham com poder aquisitivo para pagar pela utilização. Havia espaço para o estacionamento simultâneo de apenas quatro aeronaves, sem hangar, já que a proposta era ser utilizado por curtos períodos. De acordo com o jornal estadunidense Orlando Evening Star, em 22 de outubro de 1971, os principais personagens criados por Walt Disney recepcionaram, com festa e música, os primeiros passageiros a desembarcar no local.

Ao longo daqueles primeiros anos, o serviço foi um sucesso. Celebridades, políticos e grandes executivos faziam questão de usar o local. Turistas lotavam os sete pousos e decolagens diários que faziam a conexão com os grandes aeroportos próximos. Embora não existam números confiáveis sobre quantas pessoas chegaram a Disney por ali, sabe-se que os executivos do parque traçaram grandes planos. Um estudo de viabilidade em 1971 mostrou que uma linha aérea de curta distância ligando a Disney aos centros populacionais da Flórida poderia movimentar 2,3 milhões de passageiros, por ano.

O jornalista norte-americano Jim Hill, especializado em Walt Disney, conta em reportagem sobre o assunto que havia planos para a construção de um aeroporto internacional de médio porte em outra parte do parque. O empreendimento de última geração atenderia aeronaves maiores e estaria conectado a uma rede de hotéis. Uma parceria com a Delta Airlines chegou até a avançar.

Pista ainda operacional no Walt Disney World. Ao fundo, é possível ver o parque. IMAGEM: Kingdom Insider.

Vida (muito) curta

Os planos começaram a mudar com a crise do petróleo de 1973. Naquele ano, países árabes suspenderam a exportação do insumo para os Estados Unidos. Os preços de combustível de aviação dispararam e o projeto, que demandava grande investimento, foi suspenso. Embora o parque, recém-inaugurado, se mostrasse bastante promissor, era arriscado demais fechar qualquer compromisso. Como alternativa, executivos pensaram em expandir as operações da pista original, mas a ideia também se mostrou inviável, já que até a metade da década a movimentação máxima estipulada não fora atingida.

Foi então colocado em prática o plano C. O Sistema de monotrilho do parque era um sucesso, tanto em operação, quanto em custo. Elétrico, ele não era impactado pela crise do petróleo. Decidiu-se, então, pela extensão do serviço até diversos hotéis e a um grande Centro de transportes, com traslados para aeroportos vizinhos.

O Walt Disney World Airport foi se tornando economicamente inviável. O máximo possível de operações do DeHaviland Twin Otter, de 19 lugares, não era o suficiente para tornar o empreendimento lucrativo. Em 1980, o aeroporto deixou de receber turistas e visitantes comuns. A pista, contudo, continuou aberta para operações esporádicas. Muitos pilotos reclamavam de pousar ali por causa da pouca estrutura e pela ausência de um hangar e pontos de abastecimento.

De aviões a ônibus

No final dos anos 1980, uma mudança no gerenciamento do tráfego aéreo na região colocou a rampa de pouso muito próxima às linhas do monotrilho. Com receio de assustar turistas e até de um possível acidente, a administração do parque decidiu suspender de vez qualquer operação ali. Sem uso, a pista passou a ser ocupada para estacionamento de ônibus de turismo que chegavam ao Magic Kingdom.

Apesar de totalmente ocioso por décadas, foi somente em 2014 que o Walt Disney Airport foi oficialmente desativado. Naquele ano, a Federal Aviation Administration (FAA), órgão que regulamenta a aviação nos Estados Unidos, estabeleceu uma zona de exclusão aérea em toda extensão do Walt Disney World Resort e arredores.

A pista ainda está lá e pode ser avistada por qualquer pessoa no estacionamento do Magic Kingdom. Fica entre árvores, à direita de quem passa pela praça de pedágios. Para desavisados, vai parecer apenas uma estrada que não leva a lugar nenhum, às vezes ocupada por ônibus turísticos. Mas aquela faixa de asfalto faz parte de um capítulo curioso da história da aviação.

Com informações: Snopes.com, Jim Hill Media

Vista atual do que outrora foi uma pista de pouso. IMAGEM: Street View/Snopes.com
Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias