Etihad coloca 38 aeronaves à venda por apenas US$ 1 bilhão

Os últimos tempos têm sido turbulentos para a Etihad, uma das companhias aéreas nacionais dos Emirados Árabes Unidos, com a Emirates. A empresa já havia cancelado muitos pedidos de novos aviões no ano passado e agora está vendendo mais de três dúzias de suas aeronaves de longo curso, para desimobilizar seus ativos.

Foto de Clément Alloing

A Etihad vem lutando há um bom tempo para reduzir suas perdas e está passando por uma reestruturação com foco em aumentar a receita e cortar custos. Somente nos últimos três anos, a companhia aérea perdeu incríveis US$ 5 bilhões com operações deficitárias e investimentos que não trouxeram retorno.

Além de cortar ou reduzir muitos de seus investimentos não rentáveis ​​em companhias aéreas como airberlin, Alitalia, Air Serbia, Air Seychelles, etc., a companhia aérea também tenta reduzir custos de suas próprias operações.

38 aviões na lista de venda

No início de 2019, a Etihad tinha mais de 150 novos aviões encomendados, incluindo A321neo, A350-900, A350-1000, 777-8, 777-9, 787-9 e 787, mas muitos deles acabaram sendo cancelados, inclusive aviões novos acabaram sendo estocados na Espanha. 

Agora, surge a notícia dessa venda massiva de aeronaves, cuja intermediação do negócio está sendo conduzido pela consultoria de investimentos KKR, e com a contraparte Altavair AirFinance, uma empresa de financiamento da aviação comercial. Segundo um anúncio oficial de ambas, a financeira adquirirá as 38 aeronaves da Etihad Airways por um montante de US$ 1 bilhão. Com isso, a Etihad vende todos os seus Boeing 777-300ER e A330 (-200 e -300s).

Da Etihad para a Etihad

O interessante é que a empresa está fazendo esse movimento para reduzir seus ativos. Isso por que, segundo o comunicado, os 777-300ER serão alugados de volta à Etihad após a compra ser finalizada. No caso dos A330, essa sim trata-se de uma venda completa para outros interessados, já que a empresa já os havia aposentado e eles estão parados há quase um ano, esperando interessados.

Tony Douglas, CEO do Etihad Group, descreve assim o acordo: “Fizemos grandes progressos na otimização da estrutura de nossa frota no ano passado, e esse investimento da Altavair AirFinance nos permitirá dar mais um passo nessa área. Esse acordo garantirá que cumpramos nossas metas estratégicas e de sustentabilidade financeira. A estrutura dessa transação também nos oferece uma flexibilidade significativa, o que significa que estamos bem posicionados para responder aos requisitos de crescimento futuro”.

Limpeza de ativos

A Etihad receberá uma média de US$ 26 milhões por avião, o que não é exatamente ótimo quando se considera que o preço de tabela desses aviões é cerca de 10 vezes maior. Por outro lado, essa é uma forma que a empresa tem de manter seu capital circulando. Não tivemos acesso aos modelos financeiros, mas não temos dúvidas que o retorno é positivo para a aérea, afinal não esperamos um movimento como esse para perder dinheiro.

Essa iniciativa também parece alinhada com a nova estratégia da empresa, que não está mais querendo se tornar uma enorme companhia aérea global, mas se tornar uma aérea menor, servindo principalmente Abu Dhabi.

Além disso, a empresa quer se tornar uma verdadeira “boutique aérea”, operando os aviões mais modernos do mundo. No livro de pedidos, a empresa de Abu Dhabi ainda tem Boeings 787 e 777X, além de Airbus A350. No primeiro momento, os 777-300ER objeto dessa transação serão alugados, depois trocados por essas aeronaves mais novas, na medida em que forem sendo recebidas.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.