EUA impõe sanções sobre aluguel de aviões para aéreas de Cuba

O governo Trump impôs novas sanções para Cuba, desta vez para afetar o arrendamento de aviões pela estatal aérea do país, a Cubana, que completou 90 anos recentemente.

IL-96 Cubana Cuba
O russo Ilyushin IL-96-300 da Cubana pousa em Guarulhos

A decisão, anunciada ontem pelo Departamento de Comércio dos EUA, é seguida da sanção de junho que impede cruzeiros marítimos americanos e jatos privados de voarem para a ilha, em uma maneira de diminuir os visitantes em Cuba. A razão apontada pelos Estados Unidos para essas novas sanções é que o governo de Cuba estaria apoiando a ditadura de Nicolás Maduro, na Venezuela. Trump afirma que o governo cubano tem apoiado Maduro em troca de petróleo.

Agora, os EUA irão revogar a licença de qualquer aeronave pertencente a alguma empresa americana de leasing que opere em Cuba. Qualquer solicitação futura de licença também será negada.

O que é Leasing?

Tupolev 204 Cubana
Tupolev 204 da Cubana

O leasing é o aluguel de aeronaves a longo prazo, quando financeiras e grandes bancos compram a aeronave e alugam para as empresas aéreas mediante um pagamento mensal, com opção de compra ou devolução do bem ao final do contrato.

Como a Cubana conta com uma frota muito antiga e que, com frequência, causa atrasos e cancelamentos devido a manutenções, a necessidade de renovação bate a todo instante na porta. Atualmente, a maioria dos seus aviões é de origem russa ou ucraniana, sendo o mais “ocidental” deles o ATR, que é de fabricação francesa.

Entretanto, a medida dos americanos não afetaria a companhia aérea de imediato, já que a maioria de seus aviões é própria ou com leasing de empresas não-americanas. Porém a empresa sempre recorre a aéreas estrangeiras para conseguir manter sua malha em meio a falta de dispobinilidade de seus jatos.

Mesmo com voos de aéreas norte-americanas, Cuba não teve boom de turistas

A321 JetBlue
JetBlue foi uma das aéreas que diminuiu a capacidade para Cuba

No país caribenho a aviação ainda é atrasada, contando com pouca estrutura. Ao mesmo tempo, o turismo local não teve o boom esperado de visitante, nem com o fim de algumas sanções, ainda na era Obama: muitas companhias aéreas norte-americanas que vieram sedentas para o mercado cubano cancelaram os voos menos de dois anos depois, antes mesmo da posse de Trump.

Segundo o Wall Street Journal, em fevereiro de 2017, a JetBlue e a American fizeram o chamado downgrade nas rotas para Cuba, colocando aviões menores. Em abril do mesmo ano, as low-costs Frontier e Spirit suspenderam voos para a ilha.

A fuga continuou depois que Trump anunciou o apertamento das sanções para viagens, em novembro de 2017. Mas o principal motivo tem sido os concorrentes: o Caribe conta com diversas ilhas de países diferentes, que já estão preparadas para receber turistas. Além disso, Cuba exige um visto de $75 dólares, enquanto os paraísos caribenhos próximos, como Porto Rico, República Dominicana, as Bahamas e México, exigem apenas passaporte.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos