euroAtlantic: a empresa que quis comprar a Varig tem novos planos para o Brasil

A portuguesa euroAtlantic Airways de propriedade de Tomaz Metello, está novamente buscando oportunidades de negócio no mercado brasileiro, em outros países sul-americanos, e no Caribe.

euroAtlantic 777-200ER

A empresa tem mostrado uma importante solidez, sempre com resultados positivos em seus vinte e seis anos de atividade e, com a recente regulamentação do governo brasileiro, que vem ampliando as liberdades, disse que vai reativar contatos com parceiros no Brasil e em outras economias no continente sul-americano, onde a indústria da aviação está crescendo, como o Chile, Argentina, Bolívia, Peru e Venezuela.

Seguindo esses objetivos, Eugénio Fernandes, CEO da euroAtlantic Airways, visitará o Brasil por ocasião da exposição internacional de turismo, a 47ª ABAV da Associação Brasileira de Agências de Viagens, em São Paulo, para uma série de reuniões que combinam os interesses da área de aviação com os de operadora turística. E promete novidades em breve.

Quis comprar a Varig

Deve ser lembrado que a empresa privada portuguesa iniciou sua atividade no Brasil em 2000, por ocasião da “celebração dos 500 anos da descoberta do país”, época em que realizou o primeiro voo turístico entre os dois países.

Na relação histórica entre a euroAtlantic Airways e o Brasil, além de ter um idioma comum, há um episódio que poderia ter mudado o curso histórico da aviação comercial brasileira. Isso se o governo português não tivesse pedido ao empresário Tomaz Metello para se retirar da corrida pela compra da Varig, a fim de pavimentar o caminho para a, então estatal, TAP Air Portugal.

Punta Cana

Anteriormente, em sua relação com a indústria brasileira, a empresa já tinha cooperado com a BRA Transportes Aéreos no início de suas operações low-fare, e tendo desenvolvido um consórcio euroAtlantic / Varig Charter, um acordo para a operação de voos regulares e charter entre Portugal e o nordeste brasileiro. Três Boeing 767-300ER da euroAtlantic eventualmente passaram a servir à Gol, depois que essa adquiriu a VRG linhas aéreas.

Operação atual

Atualmente, a euroAtlantic Airways, além de fornecer capacidade adicional para outras empresas através de wet-leasing ou ACMI (aircraft, crew, maintenance and insurance), detém uma posição de gestão e é o maior acionista da empresa STP Airways, de São Tomé e Príncipe, ligando o país a Europa através de voos regulares, e também conectando as duas ilhas do arquipélago. A companhia também tem voos regulares para a Guiné-Bissau.

Foto de Anna Zvereva

A aérea tem uma licença de operador aéreo (AOC) português e também licenças como operador estrangeiro (FAOC), nomeadamente dos Estados Unidos da América, Austrália, Canadá e México. É um membro IATA desde 2010, Operador IOSA e Membro da AIRE desde 2009. Possui ainda o certificado FAA (FAR129), EASA( EUOPS1).

A frota da companhia aérea é composta por oito aeronaves, sendo um Boeing 737-800, seis 767-300ER e um Boeing 777-200ER.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.