Início Mercado Ex-piloto-chefe da Boeing indiciado pelos acidentes do 737 MAX; famílias de vítimas...

Ex-piloto-chefe da Boeing indiciado pelos acidentes do 737 MAX; famílias de vítimas reagem

O ex-piloto-chefe da Boeing, Mark Forkner, foi indiciado pelo Departamento de Justiça dos EUA na quinta-feira, 14 de outubro, em seis acusações por suas ações, incluindo mentir durante o processo de certificação da nova aeronave. Ele deve comparecer ao tribunal do Texas hoje, 15 de outubro de 2021.

Famílias das vítimas dos acidentes com o modelo reagiram à acusação do ex-executivo de segurança da Boeing, dizendo que a culpa vai além de uma única pessoa.

“Forkner é apenas um cara que caiu. Ele e a Boeing são responsáveis por todos os que morreram nos acidentes do MAX”, disse Nadia Milleron, mãe de Samya Rose Stumo, que morreu no segundo acidente fatal em março de 2019. “O sistema da Boeing recompensava o ganho financeiro de curto prazo em relação à segurança, e Mark Forkner estava operando dentro desse sistema. Os promotores podem e devem encontrar várias outras pessoas que também foram responsáveis ​​por causar os acidentes. Cada família que perdeu alguém no acidente do Max sente a mesma coisa: os executivos e o conselho de diretores da Boeing precisam ir para a cadeia”.

“Ninguém realmente acredita que Forkner foi o único mau ator nesta pressão complexa por lucros e no esquema para fraudar a FAA”, disse Michael Stumo, pai de Samya Rose Stumo. “Isso mostra que o CEO da Boeing, David Calhoun, e os ex-membros do conselho vão jogar qualquer um debaixo do ônibus para proteger os C-Suite (principais executivos)”.

O Departamento de Justiça abriu um processo criminal contra a Boeing por matar 346 pessoas nos dois acidentes, mas resolveu a questão no início deste ano no que é conhecido como Acordo de Acusação Diferida. Na época, o professor de direito de Columbia, John Coffee, chamou isso de “um dos piores acordos de acusação diferidos que já vi”.

A Boeing não teve que se confessar culpada de nenhuma das acusações e nenhum executivo da Boeing foi acusado. A principal firma de advocacia de defesa da Boeing é a Kirkland & Ellis. Erin Nealy Cox, a promotora principal no caso da Boeing, deixou o Departamento de Justiça no início deste ano e logo depois disso ingressou na Kirkland & Ellis como sócia em seu escritório em Dallas.

Paul Njoroge, de Toronto, Canadá, que perdeu toda a família no acidente do ET-302, disse: “As ações de Mark Forkner e da Boeing em relação à certificação, produção e lançamento do 737 MAX no mercado resultaram na morte de 346 pessoas: entre eles minha esposa, sua mãe e nossos três filhos. Pelos costumes e práticas das empresas, Mark Forkner não agiu sozinho. Os diretores da Boeing devem ter estado por trás da pressa em produzir o 737 MAX, colocá-lo no mercado, projetar receitas e ganhos mais altos, animar Wall Street e, ao fazê-lo, subir as ações da Boeing“.

“O grande júri federal deve seguir um processo completo de apuração de fatos, indiciar outros, especialmente a alta administração da Boeing, e então considerá-los criminalmente responsáveis ​​pela morte de minha esposa, nossos três filhos, minha sogra e 341 outros. Tivemos audiências no Congresso e no Senado, nas quais o ex-CEO da Boeing, Dennis Muilenberg e o engenheiro-chefe John Hamilton se recusaram a responder a perguntas básicas. Espero que a acusação de Mark Forkner traga à luz a extensão da negligência, ocultação de informações e arrogância dentro da Boeing que levaram aos dois acidentes. O público merece saber. Nunca haverá justiça para mim pela morte de minha família, mas haverá justiça para o público se Mark Forkner e outros da Boeing receberem penas máximas de prisão”, disse Njoroge.

“A acusação hoje do ex-piloto-chefe da Boeing por enganar as autoridades federais sobre o 737 MAX é uma brecha corporativa”, disse Robert A. Clifford, fundador e sócio sênior dos Escritórios de Advocacia Clifford em Chicago e principal conselheiro no litígio consolidado contra a Boeing na queda do 737 MAX na Etiópia em 2019. “A trágica perda de 157 vidas poderia ter sido evitada se Mark Forkner tivesse falado, mas ele certamente não agiu sozinho.”

Informações do Clifford Law Firm

Sair da versão mobile