FAA mudará forma como certifica novas aeronaves comerciais

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Assinada por Donald Trump em 29 de dezembro de 2020, uma nova lei dá 30 dias para a Federal Aviation Administration (FAA) formar um painel de especialistas cuja função principal será fornecer “conclusões e recomendações” após analisar se a cultura de segurança dos fabricantes de aeronaves é “consistente com os princípios do Manual de Gestão de Segurança da Organização de Aviação Civil Internacional”.

Segundo a CAPA, o painel será composto por especialistas da FAA, NASA, representantes de sindicatos de trabalhadores das indústrias aeronáuticas e pilotos e funcionários de transportadoras aéreas cujas responsabilidades de trabalho incluem a administração de um sistema de gestão de segurança.

Auto-certificação

O mecanismo usado pela FAA para delegar parte do trabalho de certificação aos engenheiros da Boeing foi alvo de duras críticas depois dos acidentes com o 737 MAX e cujas investigações identificaram que havia uma cultura tóxica de pressão interna e acobertamento na fabricante, que manipulou resultados de certificações. 

A criação do painel de revisão dos procedimentos foi inicialmente solicitada pelo Comitê de Transporte e Infraestrutura do Congresso dos Estados Unidos, de acordo com as recomendações que emergiram das investigações de várias autoridades de segurança do Boeing 737 MAX e seu processo de design e certificação. 

O novo projeto aloca US$ 27 milhões anualmente nos próximos três anos para que a FAA recrute e retenha “engenheiros e inspetores de segurança”, e outros especialistas técnicos envolvidos na certificação de aeronaves, motores de aeronaves e inovações tecnológicas. Dentro de 270 dias após a primeira reunião, um relatório do painel deve ser enviado ao administrador da FAA Steve Dickson e aos comitês do congresso em questão com as conclusões e recomendações da revisão.

Um dos resultados esperados pelos congressistas é a remoção de uma boa parte da autonomia que os fabricantes têm para homologar seus próprios aviões.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Família abandona avião por bebê estar sem máscara e acusa aérea...

0
Uma aérea americana está sendo acusada de anti-semitismo após retirar uma família judaica porquê seu bebê estava sem máscara.