Força Aérea e Aeroporto de Brasília se preparam para a posse de Bolsonaro

A Força Aérea Brasileira (FAB) e o Aeroporto de Brasília anunciaram planos para reforçar a segurança do terminal e do espaço aéreo para a posse presidencial de Jair Messias Bolsonaro no próximo dia 1º.

O AeroIN apurou junto a fontes das forças armadas que estão previstas em torno de 80 aeronaves executivas para o dia da posse. Este número engloba toda a aviação geral/particular e taxi aéreo (RBAC 91 e 135).

A FAB irá criar áreas de exclusão, com três níveis de restrição, em que só aeronaves autorizadas irão sobrevoar. As áreas vermelha, amarela e branca serão acionadas ao meio-dia do dia 1º. A Alta Autoridade de Defesa Aeroespacial, que analisa os pedidos de sobrevoo e autoriza possíveis empregos da força, será o Comandante de Operações Aeroespaciais (COMAE), Major-Brigadeiro do Ar Ricardo Cesar Mangrich.

Na área vermelha, que compreende um raio de 4 Milhas Náuticas (7,4 km) a partir da Praça dos Três Poderes, o sobrevoo é proibido. As únicas exceções são um helicóptero da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que fará coleta de imagens e transmissão ao vivo do evento, e uma Aeronave Remotamente Pilotada (ARP), modelo RQ 900, da FAB, que vai prover imagens para estruturas de inteligência e de segurança.

Já a área amarela, que cobre um raio de 25 Milhas Náuticas (46,3 km), abrangendo, inclusive, o Aeroporto Internacional de Brasília, é considerada restrita. Para sobrevoar, é preciso coordenar autorizações junto à FAB. As autorizações, que variam segundo o envolvimento ou não com a Operação Posse 2019, precisam ser submetidas até as 12h (horário de Brasília) do dia 31 de dezembro. Para a aviação geral, também há necessidade de solicitação de slots junto ao Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA). Informações sobre autorizações na área amarela podem ser obtidas pelo (61) 99994-6140.

Finalmente, a área branca, considerada reservada, abrange um raio de 70 Milhas Náuticas (129, 6 km), a partir da Praça dos Três Poderes. Para sobrevoá-la não é necessário requerer autorização, mas a apresentação do plano de voo é obrigatória.

Anti-Aérea será feita por sistemas suecos e russos

RBS 70 em disparo real

Defesa Antiaérea será composta por 12 Unidades de Tiro empregando dois tipos de armamentos: o míssil antiaéreo RBS 70 e o míssil antiaéreo IGLA S e envolve militares do 11º Grupo de Artilharia Antiaérea, do Exército Brasileiro (EB), que pertence à 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea; e o 3° Grupo de Defesa Antiaérea, da Força Aérea Brasileira (FAB), pertencente à 1ª Brigada de Defesa Antiaérea.

O míssil RBS 70 é telecomandado por intermédio da iluminação do alvo A arma é sueca e fabricado pela SAAB Bofors. É um dos armamentos antiaéreos mais modernos da atualidade e tem a capacidade de engajar aeronaves na faixa de velocidade de 0 a 300 metros por segundo dentro de um raio de sete quilômetros de sua posição.

“Esse é um sistema de mísseis telecomandados, ou seja, por intermédio da iluminação do alvo por um facho de laser, o sistema comanda o míssil até o alvo designado pela autoridade de Defesa Aeroespacial, com capacidade de neutralizar a ameaça que possa aparecer no espaço aéreo”, destaca o Comandante do 11º Grupo de Artilharia Antiaérea do EB, Tenente-Coronel Marcos César Oliveira de Assis.

IGLA-S

Já o míssil IGLA S, de fabricação russa, é capaz de engajar aeronaves dentro de um raio de seis quilômetros de sua posição e possui um guiamento de atração passiva por infravermelho. “Esse tipo de míssil, após ser feito o disparo, não precisa ser guiado. Ele automaticamente se guia na direção do alvo sem nenhuma ingerência do atirador, seguindo a fonte de calor que ele acoplou, indo na direção do alvo até impactar”, especifica o Comandante do 3º Grupo de Defesa Antiaérea da FAB, Tenente-Coronel de Infantaria Fernando Maurício Gomes.

Aeroporto de Brasília também terá operação especial

A expectativa é uma movimentação aérea de 2.310 pousos e decolagens no Aeroporto JK em Brasília. Espera-se para 1º de janeiro o dia de maior movimentação.

Além das autoridades, convidados e interessados em acompanhar o evento, haverá no período um grande fluxo de passageiros retornando das festividades de final de ano. Outra grande movimentação deve acontecer nas áreas dos hangares com grande fluxo de aeronaves executivas.

Para atender à demanda e assegurar o pleno funcionamento do Terminal, as polícias Federal, Militar e Civil vão aumentar o efetivo no Aeroporto. As equipes vão contar ainda com o apoio do Batalhão de Policiamento com Cães (BPCães) e com agentes do Batalhão de Trânsito (BPTrans), que vão monitorar todo o sítio aeroportuário. Do balão do Aeroporto até a área de embarque, o reforço será ampliado.

O Aeroporto de Brasília também possui com uma base fixa da Polícia Militar no terminal aéreo. O ponto de apoio está localizado no piso de desembarque e funciona 24h.  A cada turno, dois policiais militares são destacados para fazer a segurança e auxiliar passageiros.

Além do auxílio dos órgãos públicos e com as mais de 1.300 câmeras de monitoramento, haverá incremento dos funcionários da vigilância privada da Inframerica. As equipes acabaram de passar por treinamento de técnica antiterrorismo com o exército brasileiro.

A orientação da concessionária é que passageiros cheguem para seus voos com 2h de antecedência para embarques domésticos e 3h para os internacionais.

Pela Assessoria de Imprensa da Inframérica e Agência Força Aérea

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos