FAB recebe novos jatos da Embraer produzidos nos EUA

A Força Aérea Brasileira (FAB) recebeu neste sábado seu primeiro par de jatos Embraer Phenom, produzidos nos Estados Unidos da América.

Embraer Phenom 100EV FAB
FAB3702, o segundo Phenom 100 da Força Aérea Brasileira

As duas aeronaves chegaram na tarde de ontem (13) no Aeroporto de Boa Vista, onde foram flagradas pelo spotter Thiago Denz. São os dois primeiros Embraer Phenom 100EV que a FAB irá receber.

Os jatos executivos foram produzidos na fábrica da Embraer em Melbourne, no sul da Flórida. De lá fizeram duas escalas no Caribe: uma em San Juan, Porto Rico, e outra em Bridgetown, capital de Barbados.

As aeronaves de matrículas FAB3701 e FAB3702 terão a designação U-100 na Força Aérea Brasileira. O U é parte do código americano de designações de aeronaves militares, que é utilizado pela FAB e outras forças no mundo, e significa “Utility”, categoria Utilitário em português.

Embraer Phenom 100EV FAB
Designação U-100 já está presente no Phenom

Seu indicativos de chamada nas comunicações de rádio foram Guará 01 e Guará 02, já adotando o padrão utilizado pelo seu futuro esquadrão: o 6º Esquadrão de Transporte Aéreo (ETA), que opera na Base Aérea de Brasília.

A missão do 6º ETA é o transporte leve no centro-oeste brasileiro, levando militares, equipamento e também participando de missões de transporte de órgãos e enfermos. O Phenom 100EV irá substituir os Learjet 35 e 55, designados VU-35 e VU-55.

Feito na América

Embraer Phenom 300 sendo fabricado em Melbourne © Embraer

Segundo o portal AeroEntusiasta, a FAB encomendou quatro jatos e tem opção de compra para mais dois.

Em 2011 a Embraer instalou-se nos EUA com sua fábrica em Melbourne, na costa espacial do estado da Flórida. A cidade de tamanho médio é próxima de vários centros da NASA, incluindo Cabo Canaveral.

De lá começaram a ser fabricados os jatos Phenom 100 e Phenom 300, além dos Legacy 450 e 500, que foram modernizados e tornaram-se o Praetor 500 e o Praetor 600, respectivamente.

Uma versão melhorada do Phenom 100E, o Phenom 100EV leva até 7 passageiros, já que conta com seis assentos na cabine e necessita de apenas um piloto, podendo levar um passageiro no assento da direita no cockpit.

Porém já faz um bom tempo, desde meados de 2016, que a linha Phenom não é mais fabricada no Brasil. Os modelos 100 e 300 são os menores jatos já feitos no país e um dos best-sellers da empresa, tendo até conquistado o título de jato mais entregue no mundo por vários anos seguidos.

A medida foi tomada já que os EUA são o maior mercado da Embraer como um todo, mas principalmente para a linha executiva. Apesar da mão de obra mais cara, a empresa livrou-se de taxas de importações brasileiras, já que os motores, aviônica e a maioria das peças do avião sempre foram americanas, assim como é na maioria de suas aeronaves.

Além disso, incentivos fiscais tanto do governo local quanto a nível federal facilitam a produção e a compra por americanos, por ser um produto “Made In USA” (“Feito na América”). Além dos executivos, a Embraer fabrica nos EUA o avião de ataque AT-29 Super Tucano, que se destaca por ter atuado contra terroristas no Afeganistão nos últimos anos.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos