Início Estudos e Pesquisas Falta do que fazer na pandemia levou americanos a atacarem aviões com...

Falta do que fazer na pandemia levou americanos a atacarem aviões com raios laser

Dias atrás, repercutimos uma notícia da mídia americana sobre a prisão de um homem de 48 anos, condenado por atacar aviões com raios laser. Coincidentemente, no final da semana passada a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) divulgou dados sobre o mesmo assunto.

O impressionante do estudo foi saber que, apesar da redução drástica e jamais vista no número de voos durante a pandemia, o ano de 2020 foi o que registrou o maior número de ocorrências nos últimos cinco anos. Em 2016, houve um pico no número de casos, mas o número vinha caindo significativamente desde então, mesmo com o tráfego aéreo crescendo antes da pandemia.

Os riscos

Nos EUA, lançar um laser contra uma aeronave representa uma séria ameaça à segurança e pode resultar em multas pesadas e penalidades criminais. Trabalhando para identificar tendências em ataques de laser, a Federal Aviation Administration (FAA) do Departamento de Transporte dos EUA desenvolveu uma ferramenta de visualização que analisa dados de ataque de laser de 2010 a 2020.

Casos de laser registrados nos EUA por mês

Usando a plataforma Tableau, a ferramenta identifica tendências que incluem área geográfica, dados per capita, hora do dia e ano. A FAA está compartilhando as informações no novo formato para chamar a atenção para a taxa perigosamente alta de ataques de laser em aviões. 

“Apontar um laser para uma aeronave pode cegar temporariamente um piloto e não só afeta a tripulação, mas põe em perigo os passageiros e as comunidades sobre as quais eles sobrevoam”, disse o administrador da FAA Steve Dickson.

Menos voos, mais ataques

Os ataques de laser aumentaram em 2020, apesar da redução drástica de voos devido à pandemia de COVID-19. Os pilotos relataram 6.852 ataques de laser à FAA no ano passado, ante 6.136 em 2019. O número de incidentes relatados em 2020 foi o maior total anual desde 2016. A maior quantidade de pessoas em casa e desocupadas teria contribuído para o aumento nos casos.

Pessoas que projetam lasers em aeronaves enfrentam multas de até US$ 11.000 por violação registrada. A FAA emitiu US$ 600.000 em multas desde 2016, o que inclui US$ 120.000 em 2021. Os infratores também podem enfrentar penalidades criminais de agências policiais federais, estaduais e municipais.

A FAA permanece vigilante em aumentar a conscientização sobre os perigos de apontar lasers para aeronaves e encoraja o público a relatar ataques de laser à FAA e às autoridades locais.

A agência também produziu um vídeo sobre os perigos dos lasers, além de manter um site atualizado e um folheto informativo sobre o tema.

Sair da versão mobile