Famílias de vítimas do 737 MAX voltam a pressionar por depoimentos dos CEOs da Boeing

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Boeing 737 MAX Ethiopian
Boeing 737 MAX da Ethiopian

Os parentes de várias das vítimas do segundo dos dois acidentes do 737 MAX voltaram a exigir que os principais executivos da Boeing, incluindo o atual e o ex-CEO, testemunhem em um tribunal federal de Chicago.

Em um processo enviado ao tribunal, as famílias das vítimas do voo 302 da Ethiopian Airlines, o segundo acidente, ocorrido em março de 2019, pediram novamente que o tribunal ouça depoimentos de altos executivos, incluindo o atual CEO Dave Calhoun e seu antecessor Dennis Muilenburg, entre outros funcionários da Boeing que trabalhavam na empresa na época do acidente, reporta a Reuters.

Os advogados que representam os demandantes estão supostamente pressionando para descobrir o que a Boeing sabia sobre as causas do primeiro acidente do MAX, que ocorreu em outubro de 2018, e por que o avião foi autorizado a continuar voando. Eles estão pressionando para agendar os depoimentos de Calhoun e Muilenburg entre 3 de maio e 18 de junho de 2021.

Embora a Boeing já tenha resolvido o caso contra as famílias das vítimas do primeiro acidente do MAX da Lion Air na Indonésia, ela ainda enfrenta mais de 100 processos em Chicago contra famílias do acidente na Etiópia.

Separadamente, os parentes das vítimas do acidente na Etiópia também pediram aos legisladores dos EUA que disponibilizassem e-mails internos e documentos da Administração Federal de Aviação (FAA) entre o primeiro e o segundo acidentes, e afirmaram que “há assuntos sérios não resolvidos”.

A carta, enviada aos membros dos comitês de transporte da Câmara e do Senado, foi confirmada como recebida e reconhecida pelo representante do chefe do comitê, Peter DeFazio, e pelo representante do presidente da subcomissão de aviação, Rick Larsen.

“Posso confirmar que esta semana os presidentes DeFazio e Larsen reapresentaram seu pedido ao DOT (Departamento de Transporte) para fornecimento de registros da FAA, que não foram atendidos até o momento”, disse um porta-voz do Congresso.

Isso ocorre menos de uma semana depois que um relatório foi divulgado pelo escritório do Inspetor Geral do Departamento de Transporte dos EUA, que novamente criticou a FAA por sua falta de supervisão na certificação do Boeing 737 MAX. Ele encontrou “pontos fracos” na certificação inicial do MAX pela agência e declarou que a mesma ainda precisa abordar e fortalecer adequadamente seus processos de revisão de aeronaves.

Após um longo processo de recertificação e uma série de atualizações e testes de segurança, o 737 MAX foi liberado para voar na maioria das jurisdições, incluindo os EUA, Brasil, Reino Unido, União Europeia e Canadá.

A Autoridade de Segurança da Aviação Civil da Austrália tornou-se na sexta-feira o órgão regulador mais recente a dar luz verde ao avião para operar novamente em seu espaço aéreo.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Por que o avião faz curvas quando o aileron se move...

0
Entenda por que o movimento dos ailerons nas asas fazem o avião sair da posição horizontal de voo para ele conseguir mudar de direção.