Finalmente, famoso Boeing 747 dos ‘pousos especiais’ fará voo para São Paulo

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Nos últimos meses, um Boeing 747 em particular tem ganhado destaque em publicações recentes pela forma como os pilotos conduzem o seu pouso, mantendo o nariz do avião no alto, enquanto o quadrijato corre pela pista, baixando-o naturalmente na medida em que a velocidade vai diminuindo.

Após Floripa e Recife, eis que agora é a vez de São Paulo-Guarulhos, maior aeroporto do país, ver um pouso do talentoso piloto (torcemos para que seja ele), que causa sentimentos mistos nas pessoas.

O voo para São Paulo

Segundo os registros da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o voo passou a constar como autorizado desde a tarde de sexta-feira. Será uma operação única com o Boeing 747-200 da empresa moldava Fly Pro, conforme a seguinte programação:

– 18 de março – o roteiro se inicia em Macau, depois Colombo, no Sri Lanka, Nairóbi, no Quênia, e Acra, em Gana.

21 de março – o jato deve decolar de Gana às 0h na hora de Brasília para pousar em Guarulhos às 7h da manhã. Voo PVV-8652.

21 de março – a decolagem de Guarulhos, rumo a Gana está prevista para 23h. Voo PVV-8653.

A aeronave

A Fly Pro, da Moldávia, tem apenas uma aeronave. De matrícula ER-BAT, é um dos 20 Jumbos da variante 747-200 em operação no mundo hoje. Ele tem realizado muitos voos desde o início da pandemia, inicialmente levando máscaras e EPIs, depois insumos de vacinas e cargas diversas.

O motivo da viagem e a carga abordo ainda não são conhecidos.

“Técnica especial”

Os pilotos do jato chamaram muita atenção por manterem o nariz elevado mesmo após o pouso, numa manobra que a FAA chama de Aerodynamic Breaking (ou apenas AeroBreaking), que não é recomendada como método de frenagem pelo manual da Boeing (por ser menos eficiente na parada que os próprios freios do avião), mas que ainda assim faz parte da literatura americana. Clique aqui para ver como a FAA descreve essa prática (página 6).

Embora muitos questionem sobre o procedimento adotado pelos pilotos e aleguem que não faz parte dos manuais, ainda assim é uma manobra bonita de se ver e que empolga o entusiasta de aviação que existe dentro de cada um e, por isso, apelidamos de “técnica especial” (entre aspas, note-se).

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Avião Airbus A319 Avianca

Após 4 anos, Avianca recontrata cerca de 100 pilotos que participaram...

0
A Avianca chegou a um acordo com seus pilotos para a reintegração progressiva de cerca de 100 aviadores que deixaram a empresa em 2017.