Fokker 100 iraniano dá susto após decolagem com fumaça a bordo e faz meia-volta

Um Fokker 100 da Karun Airlines (antiga Iranian Naft Airlines), com registro EP-AWZ, realizava o voo NV-2633, ligando as cidades iranianas de Ahwaz e Rasht, mas teve que desviar seu percurso após uma emergência à bordo.

Às 18 horas e 51 minutos (horário local), a aeronave decolou da pista 12 do Aeroporto Internacional de Ahwaz, com destino ao Aeroporto de Rasht, distante cera de 670 km, para um voo estimado de pouco mais de uma hora de duração.

Quando a aeronave ainda estava em procedimento de subida no FL180 (18.000 pés ou cerca de 5.400 m), uma fumaça começou a tomar conta da cabine, obrigando a tripulação a interromper a subida e retornar para o Aeroporto de Ahwaz. Os pilotos comandaram o pouso da aeronave com segurança na pista 30, cerca de 30 minutos após a decolagem.

Segundo o The Aviation Herald, os passageiros teriam relatado que a cabine começou a ficar cheia de uma fumaça espessa, proveniente inicialmente da parte traseira do avião.

Mais tarde, a companhia aérea relatou um defeito técnico em um dos sistemas da aeronave (sem especificar qual sistema), que levou ao retorno a Ahwaz. A aérea ainda divulgou que todos os passageiros estavam bem, em “perfeita saúde”. Segundo a companhia, um transporte alternativo para Rasht seria organizado.

Não houve a divulgação de informações sobre o status da aeronave e como os passageiros foram transportados para Rasht. Dados do Flightradar24 mostram que o Fokker 100 de mais de 25 anos esteve em operação nos dias seguintes ao incidente.

Trajetória do voo NV-2633 segundo o Flightradar24.

Com informações do The Aviation Herald.

Rodnei Diniz
Engenheiro aeronáutico e mecânico, atuante em gestão de manutenção aeronáutica, aviação geral, executiva e comercial. Atento aos detalhes, gosta de ler e escrever sobre a história da aviação.

Veja outras histórias

KLM lança campanha que estimula passageiros a não voar de avião

0
A iniciativa busca tornar as viagens aéreas mais ecologicamente sustentáveis e habilita a companhia a receber socorro bilionário.