Força Aérea dos EUA desenvolve combustível de aviação feito do gás carbônico

Imagem: U.S. Air Force / Master Sgt. Joseph Swafford

Em 2020, a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) aprovou a empresa de transformação de carbono Twelve para lançar um programa piloto para demonstrar que uma tecnologia de sua propriedade poderia converter CO2 (gás carbônico, ou dióxido de carbono) em combustível de aviação operacionalmente viável chamado de E-Jet.

O processo de transformação em questão pode transformar o dióxido de carbono no ar em quase qualquer produto químico, material ou combustível, incluindo o combustível de avião a jato.

E agora, a USAF anuncia que o projeto atingiu um grande marco em agosto desse ano, quando a empresa paceira Twelve produziu com sucesso o combustível para aviões a jato a partir de CO2, demonstrando que o processo funciona e estabelece as condições para criar o combustível sintético neutro em carbono em maiores quantias.

Segundo informações da Força Aérea, a primeira fase do projeto está programada para terminar em dezembro, com um relatório que irá detalhar o processo e os resultados.

Os testes iniciais mostram que o sistema é altamente utilizável, permitindo ao combatente de guerra utilizar o combustível sintético estando em qualquer parte do mundo.

“Com a transformação do gás carbônico, estamos desamarrando a aviação das cadeias de abastecimento de petróleo. A Força Aérea tem sido um parceiro forte no nosso trabalho para promover novas fontes inovadoras de combustível para a aviação”, disse Nicholas Flanders, Co-Fundador e CEO da Twelve.

A maioria dos combustíveis sintéticos, que são criados por uma mistura de monóxido de carbono e hidrogênio, conhecidos como gás de síntese, são produzidos através da queima de biomassa, carvão ou gás natural. A tecnologia do Twelve elimina a necessidade de combustíveis fósseis, produzindo gás de síntese reciclando o CO2 capturado do ar e – usando apenas água e energia renovável como insumos – transformando esse CO2.

Assim que a primeira fase do programa for concluída no final de 2021, o escritório de Energia Operacional da Força Aérea analisará a próxima fase de escalonamento da tecnologia para produzir combustível sintético em maiores quantidades.

Com informações da USAF

Arthur Gimenes Prado
Experiência em TV, rádio e internet como repórter esportivo, comentarista, colunista e redator. Estudante do Ensino Fundamental e criador de conteúdo digital no Instagram, tendo também um canal no YouTube onde mostra experiências abordo e viajando pelo Brasil.

Veja outras histórias

Em nota, Azul diz o que ofereceu pela Latam e que...

0
A Azul emitiu uma atualização ao mercado sobre os recentes eventos acerca da proposta de combinação de negócios com a LATAM.