Fratura nas pás do motor do Boeing 787 causaram a queda das peças sobre a Itália

No início do mês passado, em 10 de agosto, um perigoso incidente ocorreu na Itália, quando pedaços de metal causaram estrago ao caírem de um Boeing 787 da Norwegian (veja mais detalhes ao final desta matéria).

Avião Boeing 787 Norwegian

Apenas 36 segundos depois que a aeronave decolou da pista 16R do aeroporto Fiumicino, em Roma, com destino a Los Angeles, o motor Rolls-Royce Trent 1000 esquerdo mostrou sinais de vibração excessiva, segundo informações da autoridade de investigação italiana ANSV.

A tripulação recebeu vários alertas, como avisos de superaquecimento do motor, e optou por desligar o motor e retornar a Fiumicino.

As peças do motor foram ejetadas sobre as áreas sul da cidade e foram recuperados cerca de 4 kg de detritos das pás do motor, alguns dos quais danificaram prédios e carros.

Os investigadores italianos acreditam que a fratura da pá da turbina de pressão intermediária desencadeou a grave falha do motor do Boeing 787-8.

A ANSV afirma que a aeronave também sofreu danos em sua asa esquerda, nos flaps e no estabilizador horizontal, além de terem sido encontradas marcas superficiais em sua fuselagem. A aterrissagem com excesso de peso também resultou no esvaziamento dos pneus do trem de pouso principal esquerdo.

A análise dos dados do motor, baixados das unidades de monitoramento a bordo, levou à hipótese de que uma pá da turbina de pressão intermediária havia se quebrado, e o exame laboratorial subsequente revelou que duas das pás haviam sofrido fratura.

Uma das pás parecia ter sofrido “dano progressivo” (uma pequena falha surgiu e foi aumentando ao longo do tempo), enquanto a outra parecia ter sofrido um estresse de sobrecarga, provavelmente como resultado da separação da outra pá.

Representantes de vários países – incluindo Noruega, Alemanha, Reino Unido e EUA – estão participando da investigação, junto com a Agência de Segurança da Aviação da União Européia.

A ANSV diz que, desde 2015, houve 10 casos de fratura de pás na turbina de pressão intermediária dos motores Trent 1000. “O mecanismo de ruptura foi atribuído à corrosão por fadiga”, afirma, acrescentando que o incidente do 787 da Norwegian parece “semelhante”.

Um dos incidentes anteriores mostrou que os danos nas pás podem resultar em danos à turbina a baixa pressão e no risco de detritos de alta energia serem ejetados do motor.

A ANSV também aponta que a falha da pá no motor esquerdo do 787 ocorreu cerca de 200 ciclos abaixo dos limites esperados e que o motor direito, a 103 ciclos abaixo do limite, estava dentro dessa margem.

As pás com falha foram objeto de um boletim de serviço que as substitui por novas pás fabricadas com diferentes materiais e melhor proteção. “Os resultados dos testes e amostragens realizados na frota de motores que já incorporam essa alteração parecem ser satisfatórios”, diz a ANSV.

Confira na matéria a seguir as imagens dos danos causados pelas peças que caíram na Itália.

Informações pelo Flight Global.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.