No mais óbvio hotel, funcionários da empresa aérea TWA reúnem-se após 18 anos do fim

Já se vão quase vinte anos desde que a companhia aérea norte-americana TWA encerrou suas operações, ao ser incorporada pela American Airlines em 2001. Mas os 18 anos não apagaram a paixão de alguns de seus funcionários, que ainda mantêm contato e protagonizam anualmente sua animada reunião.

Todos os anos, a organização Silver Wings de ex-comissários de bordo da TWA realiza uma reunião onde eles comemoram sua história compartilhada. As reuniões costumam alternar entre cidades nos EUA, e este ano havia apenas uma opção lógica: Nova York, graças ao novo e impressionante Hotel TWA, inaugurado em maio.

Além de todas as recordações históricas que a equipe da Silver Wings exibiu no fim de semana dos dias 02 e 03 de novembro, o próprio hotel está repleto de exibições de itens da TWA, como uniformes de comissários de bordo e anúncios antigos da TWA.

Mas o campeão de todas a atenção é o revitalizado Lockheed Constellation, o “Connie”, nos arredores do hotel. Portanto, não foi uma surpresa que a Silver Wings tenha escolhido Connie como o local da grande operação fotográfica do fim de semana.

No total, quase mil participantes compareceram ao fim de semana, e boa parte deles participou da foto do grupo. Após as fotos, alguns dos participantes pegaram uma bebida dentro de Connie. Sim, é isso mesmo. O hotel transformou o interior do avião em um bar totalmente funcional.

Bar Interior Constellation Hotel TWA
Interior do Connie no Hotel TWA

Dentro da sala de conferências do hotel, a Silver Wings exibia em vários monitores a rica história da organização e da companhia aérea. Ao final do evento, só restaram elogios ao reencontro e ao hotel.

O bonito Hotel TWA

O recém-inaugurado hotel demorou anos para ser construído e não leva apenas a marca da finada Trans World Airlines (TWA), que fechou as portas em 2001. O hotel foi construído onde era o centro de aviação da companhia: prédio com simuladores, salas de treinamento e todo apoio necessário para as tripulações.

O TWA Hotel incorpora a sede do centro de treinamento TWA Flight Center, que foi inaugurado em 1962 e sobreviveu graças ao seu status histórico. Agora está cercado pelo T5 da JetBlue no aeroporto JFK.

O terraço conta com um bar (acesso gratuito) e uma grande piscina panorâmica (exclusiva para hóspedes) que conta com uma visão para o pátio dos terminais 4 e 5 do Aeroporto Internacional JFK.

Piscina hotel TWA vista pátio JFK
Piscina do hotel com vista para o pátio

O desenvolvedor por trás do hotel fez um trabalho incrível, revivendo o edifício há muito abandonado à sua antiga glória. As tarifas estão disponíveis a partir de $215 dólares para uma noite, $139 para o day-use no período de seis horas ou $199 no período de 12 horas.

Hotel TWA JFK Quarto
Quarto do Hotel TWA

A história da TWA

A Trans World Airlines (TWA) foi uma importante companhia aérea americana que existiu de 1930 a 2001. Foi formada como Transcontinental & Western Air para operar uma rota de Nova York a Los Angeles via St. Louis, Kansas City e outras paradas, com voos realizados por aeronaves Ford Trimotors.

Ao lado de American, United e Eastern, foi uma das quatro grandes companhias aéreas domésticas dos Estados Unidos.

Howard Hughes adquiriu o controle da TWA em 1939 e, após a Segunda Guerra Mundial, liderou a expansão da companhia aérea para atender a Europa, Oriente Médio e Ásia, tornando a TWA uma segunda transportadora de bandeira não oficial dos Estados Unidos depois da Pan Am.

Hughes desistiu do controle na década de 1960, e a nova administração da TWA adquiriu a Hilton International e o Century 21 na tentativa de diversificar os negócios da empresa.

Como a Lei de Desregulamentação de Companhias Aéreas de 1978 levou a uma onda de falências e aquisições de empresas aéreas nos Estados Unidos, a TWA foi desmembrada de sua holding em 1984. Carl Icahn adquiriu o controle da TWA e a privatizou em uma compra alavancada em 1988.

A TWA ficou com dívidas, vendeu suas rotas de Londres, passou pela reestruturação do capítulo 11 (Lei de falência dos EUA) em 1992 e novamente em 1995, e ficou ainda mais prejudicada com a explosão do Boeing 747-100 no voo 800 da TWA em 1996.

Boeing 747-100 do voo 800 – Imagem: Eduard Marmet / Creative Commons

Em 2001, a TWA pediu uma terceira e última falência e foi adquirida pela American Airlines. A American demitiu muitos ex-funcionários da TWA após os ataques de 11 de setembro de 2001 e fechou seu centro de St. Louis em 2003.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.