Funcionários da Thai são acusados de receber suborno da Airbus na compra de aviões

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Foto – AeroIcarus sob licença Creative Commons

Alguns funcionários da Thai Airways ficaram ricos de maneira repentina após a empresa comprar jatos Airbus A340, o que gerou suspeita nas autoridades. As investigações apontam que o dinheiro da propina foi enviado através de empresas de fachada, e provavelmente é oriundo da Airbus, segundo informou o jornal Bangkok Post.

O negócio de compra foi fechado com a Airbus em 2003 e consistia em quatro jatos A340-500 e seis A340-600. Os quadrijatos foram comprados com a justificativa de que a empresa precisava voar sem escalas da sua base em Bangkok para Nova Iorque e Los Angeles, nos EUA.

A compra foi desaconselhada pelo Conselho Nacional de Economia e Desenvolvimento Social, mas ainda assim foi levada adiante. Segundo procuradores da Tailândia, uma parte do prejuízo acumulado de R$ 43 bilhões da empresa veio dessa compra indevida.

Os aviões na época já não eram considerados os mais econômicos. Ficaram pouco mais de 10 anos na empresa e não conseguiram ser passados para frente, com exceção de apenas um que foi vendido para a Força Aérea da Tailândia para servir como avião presidencial.

Os próximos passos da investigação serão as audiências, onde os funcionários suspeitos serão chamados para dar esclarecimentos.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Dia 9/12: data em que a GOL espera o primeiro voo...

0
Está chegando a hora de ver novamente o Boeing 737 MAX nas operações regulares da GOL. Hoje novas operações foram registradas na ANAC.