Fundador da easyJet toma invertida em tentativa de derrubar diretores da Empresa

Em mais um capítulo na conturbada história recente da empresa aérea low-cost, seu fundador, Sir Stelios Haji-Ioannou, foi derrotado em votação de acionistas, na tentativa de destituir quatro executivos da companhia de uma só vez.

Stelios Haji-Ioannou, que é o maior acionista da low-cost britânica, pretendia destituir os quatro executivos, pois deseja ver o cancelamento de uma encomenda de 107 novas aeronaves Airbus, que tem um custo total de 4,5 bilhões de libras. Ele acredita que esse negócio comprometer o futuro da companhia aérea, podendo levá-la à falência. Enquanto isso, o Conselho se recusa a cancelar a encomenda das aeronaves, feita junto à Airbus em 2013.

Os executivos que Haji-Ioannou colocou na berlinda são o CEO Johan Lundgren, o Presidente, John Barton, o Diretor Financeiro, Andrew Findlay, e o Diretor, Andreas Bierwirth.

Hoje, a Companhia anunciou os resultados da votação da Assembleia Geral realizada em sua sede, no Hangar 89 do Aeroporto de Londres – Luton, que visava justamente a deposição dos executivos.

Como resultado, todas as quatro resoluções propostas por Sir Stelios, cada uma relacionada a destituição de um Diretor, foram derrotadas. O presidente da easyJet, mantido no cargo, John Barton, após o resultado declarou:

“Em nome do Conselho, gostaria de agradecer aos acionistas pelo apoio. As companhias aéreas estão enfrentando desafios sem precedentes e a prioridade imediata do Conselho foi tomar as medidas necessárias para guiar com sucesso a easyJet por esse período de incerteza. Estamos incansavelmente focados em conservação de caixa e na garantia de que a easyJet saia da crise causada pelo Covid-19 em uma forte posição competitiva. O Conselho busca boas relações com todos os acionistas da companhia, e espera poder se relacionar novamente de forma construtiva com Sir Stelios.”

Caçador de recompensas

Recentemente, Stelios Haji-Ioannou ofereceu uma “recompensa” de 5 milhões de libras esterlinas do próprio bolso, por informações que desencadeiem o cancelamento da encomenda. Ele montou uma campanha cada vez mais vocal nas últimas semanas com o objetivo de ver a ordem da Airbus cancelada, xingando os diretores da easyJet de “patifes” e descrevendo o fabricante de aviões como “mestres do suborno”.

Os executivos da easyJet descreveram as ações do bilionário como mal concebidas e concordaram apenas em adiar as entregas de alguns dos novos aviões.

Qual será o próximo passo a ser adotado por Sir Stelios Haji-Ioannou para conseguir reverter a situação ao seu favor? Esperemos as próximas semanas, novidades provavelmente não faltarão.

Rodnei Diniz
Engenheiro aeronáutico e mecânico, atuante em gestão de manutenção aeronáutica, aviação geral, executiva e comercial. Atento aos detalhes, gosta de ler e escrever sobre a história da aviação.

Veja outras histórias

Boeing 747 que ficou avariado após pouso duro em Curitiba decola

0
O Boeing 747 retrô da Cargolux que ficou avariado após um pouso duro, já foi reparado e decolou do Aeroporto Internacional de Curitiba.