Sistema de pouso GBAS é instalado no aeroporto de Hong Kong

A Indra, empresa global de consultoria e tecnologia líder na Espanha e América Latina, venceu uma licitação para prestar serviços ligados à realização dos testes de voo GBAS (Ground Based Augmentation Systems) no Aeroporto Internacional de Hong Kong. De acordo com a consultoria, o sistema oferece orientações de navegação muito mais precisas para as aeronaves, o que permite planos de aproximação mais apurados.

GBAS em utilização no Aeroporto de Frankfurt © Fraport




A expectativa é a de que a solução seja inicialmente um complemento para os sistemas convencionais de pouso, chamados ILS, por sua resiliência, eficácia melhorada e flexibilidade operacional. “O GBAS é o futuro dos sistemas de pouso e agrega benefícios em custos, capacidade, segurança e proteção ao meio ambiente. Estamos muito satisfeitos por sermos o primeiro fornecedor de serviços com a concessão de um contrato em concurso aberto para este importante projeto no Aeroporto Internacional de Hong Kong”, explica Linda Lavik, diretora de Produto GBAS da Indra na Noruega.

Atualmente o sistema GPS consegue trazer uma precisão boa para navegação, mas não tão precisa comparada ao tradicional ILS. É aí que entra o GBAS: diversas antenas são instaladas no sítio aeroportuário, estas antenas estão conectadas aos satélites do sistema GPS, estas antenas checam diversas vezes por segundo a posição dos satélites e as informações que eles transmitem para as aeronaves.

Estes dados são coletados para central GBAS que fica dentro do aeroporto, que verifica e compila as informações, que são repassadas para as aeronaves através de uma antena VHF. A aeronave homologada para o GBAS ao receber este sinal VHF utiliza os dados para fazer correções e trazer uma precisão maior para o pouso, a chama “aumentação” do inglês Augmentation.

A vantagem do GBAS em relação ao ILS é que pode ser utilizado para diversas pistas, e não apenas para a cabeceira onde está instalado. Procedimentos de aproximação em curva como o do Aeroporto Santos Dumont também podem ter a precisão aumentada e beneficiando o Aeroporto do Galeão: o raio de precisão para correção do sistema são 27 milhas náuticas (50km).

O projeto foi instalado de maneira muito prematura no Galeão, mas depois foi suspenso por falta de recursos. A tecnologia é uma das pautas do projeto NextGen da FAA, que inclui o transponder ADS-B e outras tecnologias para aumentar a segurança da aviação.

A Indra foi a primeira empresa a entregar sistemas de pouso por satélite comercialmente operacionais, utilizados em diversos aeroportos noruegueses desde 2007. Esse é o primeiro dos contratos relacionados com o GBAS na Ásia.

Vale lembrar que o Departamento de Aviação Civil de Hong Kong regula as atividades da aviação civil e é o fornecedor de serviços de navegação em Hong Kong. O Aeroporto Internacional de Hong Kong é o terceiro maior aeroporto internacional em tráfego do mundo: em 2017 passaram por ele mais de 72 milhões de passageiros.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Indra e do autor

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos