Gigante dos simuladores, CAE usa realidade virtual e Analytics na preparação de pilotos

O sofisticado processo de treinamento de pilotos da canadense CAE, empresa líder no segmento e com forte presença no Brasil, deverá ser elevado a um patamar ainda mais alto após a empresa ter anunciado que investirá $800 milhões de dólares americanos nos próximos cinco anos. 

Tal investimento financiará o “Projeto Resiliência”, um projeto de transformação para desenvolver as “tecnologias do amanhã”, incluindo soluções de realidade virtual, usando ecossistemas de dados e inteligência artificial na aviação civil. O projeto permitirá que a CAE persiga seu papel de tornar as viagens aéreas cada vez mais seguras.

“A CAE está lançando um importante programa de investimento em Pesquisa e Desenvolvimento de cinco anos que reforçará nossa posição como líder global em tecnologia, criará empregos e colaborações de alto valor e contribuirá para um mundo mais verde, seguro e inclusivo”, disse Marc Parent, Presidente e CEO da CAE. 

“Estamos à beira de uma nova era da aviação”, acrescentou Parent. “As empresas aeroespaciais disruptivas estão construindo aeronaves de ponta e criando um novo setor dentro da indústria. Espera-se que cerca de 60.000 pilotos profissionais exclusivamente treinados serão necessários para voar com segurança passageiros e carga nestes veículos elétricos de decolagem e pouso vertical e a CAE tem experiência para ajudar a fazer isso acontecer”.

No Brasil

Em recente conversa com Daniel Portugal, diretor da CAE para a América do Sul, fomos informados que os pilotos brasileiros se beneficiam e continuarão se beneficiando das inovações trazidas pela empresa. Um dos destaques citados por ele diz respeito à possibilidade de usar Big Data para melhor orientar o treinamento, proporcionando uma abordagem customizada para cada um.

Dentro desse contexto, um dos objetivos do uso dos dados é eliminar a subjetividade das avaliações. Um exemplo disso é que os algoritmos de hoje são capazes de avaliar as ações dos pilotos em treinamento e atribuir-lhes ratings, que serão avaliados pelos instrutores de maneira independente. Com o avanço da tecnologia, os cálculos são feitos não apenas com base nos procedimentos adotados pelo piloto, mas também considera características psicológicas.

Portugal também destaca a presença da CAE em outros segmentos, incluindo o de Healthcare, que aproveita do know-how da companhia para ajudar no desenvolvimento de estratégias que possam salvar vidas.

Tecnologias

A CAE aproveitará suas capacidades tecnológicas, experiência, assim como suas últimas inovações em simulação, realidade virtual / mista (VR / MR) e análise de dados para estar na vanguarda das tecnologias de mobilidade disruptivas, como eVTOL veículos.

Dentro do Projeto Resiliência, a CAE irá colaborar e co-desenvolver soluções de tecnologia com pequenas e médias empresas de todo o Canadá e criará 700 novos empregos altamente qualificados. Por meio deste projeto, a CAE trabalhará com instituições de ensino, centros de pesquisa e instituições STEM e criará 5.000 oportunidades de Aprendizagem Integrada de Trabalho (WIL) para alunos e 100 novas vagas de bolsa de estudos.

A CAE tem mais de 10.000 colaboradores, oferece mais de 1 milhão de horas de treinamento por ano a cerca de 175 mil pilotos de todo o mundo.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Ressuscitada Jet Airways perto de fazer uma encomenda de cerca de...

0
A ressuscitada empresa aérea Jet Airways, da Índia, já sob a gestão dos novos donos, pode estar próxima de fazer uma encomenda