GOL conclui refinanciamento de R$1,2 bilhão em dívida de curto prazo

Boeing 737-800

A GOL Linhas Aéreas anuncia hoje (26) que finalizou o previamente informado refinanciamento de sua dívida bancária de curto prazo num volume de R$1,2 bilhão, por meio da extensão da 7ª Série de Debêntures e da emissão da 8ª Série de Debêntures Simples Não-Conversíveis da GLA Linhas Aéreas S.A., uma unidade operacional da Companhia.

A transação, realizada com esforços restritos de acordo com a Instrução CVM nº 476, foi liderada por um sindicato de bancos formado por UBS BB S.A., Bradesco BBI S.A. e Santander S.A.

“A finalização do refinanciamento de R$1,2 bilhão da dívida de curto prazo, e a consequente conclusão do nosso programa de liability management, não poderiam ter ocorrido em melhor momento,” afirmou Richard Lark, Diretor Vice-Presidente Financeiro. “Agora, comparativamente aos nossos pares, o balanço patrimonial da GOL está numa posição mais forte em termos de endividamento, o que entendemos ser uma vantagem competitiva no atual ambiente de mercado.”

Conforme observado no anúncio dos termos e condições do refinanciamento da Companhia em setembro de 2021, a emissão dessas Debêntures representa a última etapa do programa de liability management da GOL, o que permitirá que a Companhia retorne ao seu menor patamar de dívida bancária de curto prazo desde 2014, com um montante aproximado de R$0,5 bilhão.

No período de 19 meses encerrados em setembro/21, a extração de valor dos ativos da GOL propiciou uma redução de R$3,3 bilhões na sua dívida financeira de curto prazo. O passivo de arrendamento da Companhia manteve-se em aproximadamente 46% do total do endividamento, com uma taxa de desconto estável em IFRS16.

Os recursos das Debêntures serão utilizados integralmente para refinanciar a dívida de curto prazo da Companhia e estender o prazo médio dos passivos para 3,3 anos, um aumento de mais de dois anos. Isso inclui R$0,6 bilhão do saldo remanescente da 7ª emissão de debêntures, e aproximadamente R$0,6 bilhão de linhas de crédito de financiamento à exportação (Finimps) e linhas de crédito para capital de giro.

A transação também melhorará as métricas de crédito, casando de maneira mais adequada os ativos e passivos futuros, assim como reduzindo o custo de dívida da Companhia. O próximo vencimento material de endividamento da GOL somente ocorrerá em julho/2024.

As Debêntures serão remuneradas a uma taxa de CDI+4,5% (uma redução de aproximadamente 20% no spread sobre CDI) e terão data de vencimento de três anos após a emissão. Os pagamentos de principal e juros serão mensais, após período de carência de 12 meses para principal e de seis meses para juros. As Debêntures são resgatáveis, total ou parcialmente, a qualquer momento após emissão.

Elas terão garantias fidejussórias da Companhia e garantia real prestada pela GLA na forma de cessão fiduciária de determinados recebíveis de cartão de crédito, com a preservação dos direitos de antecipação dos recebíveis dessas garantias.

A disciplinada gestão financeira da GOL ao longo da pandemia fortaleceu o seu balanço patrimonial e reduziu o endividamento de curto prazo, preservando a liquidez em patamares adequados para a manutenção das operações. A Companhia também concluiu importantes iniciativas para reequilíbrio de sua estrutura de capital, como a amortização do Term Loan B no montante de US$300 milhões, a emissão de US$650 milhões de Senior Secured Notes 2026, um aumento de capital de R$423 milhões, e a aquisição da participação minoritária no seu programa de fidelidade Smiles no valor de R$1,3 bilhão.

Informações da GOL Linhas Aéreas

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Ex-Avianca, German Efromovich está envolvido na criação de uma nova empresa...

0
O empresário German Efromovich, ex-Avianca Holding, ainda quer negócios no setor aéreo e seu novo alvo parece ser a Itália.