Gol divulga resultados do ano de 2020, com os primeiros impactos do 737 MAX

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A GOL Linhas Aéreas Inteligentes anunciou hoje (18) o resultado consolidado* do quarto trimestre de 2020 (4T20) e do ano de 2020, detalhando também suas iniciativas contínuas em resposta à pandemia de Covid-19. A empresa destaca os primeiros impactos da volta do Boeing 737 MAX aos voos.

“O modelo de negócios da GOL é o principal diferencial para superarmos os desafios que essa crise impõe às empresas aéreas. Nosso modelo operacional de frota com um único tipo de aeronave, menor estrutura de custos com predominância de componentes variáveis, e posição dominante nos principais hubs brasileiros de alta densidade nos permite, rapidamente, adicionar ou descontinuar rotas em resposta às oscilações de demanda, enquanto mantemos disciplina quanto a capacidade e rentabilidade”, disse Paulo Kakinoff, Diretor-Presidente.

MAX

Em dezembro, a Companhia foi a primeira empresa aérea do mundo a retomar voos com a aeronave Boeing 737 MAX, encerrando aproximadamente 20 meses de paralisação, após a efetiva aprovação dos órgãos reguladores – FAA e ANAC – por meio de um processo rigoroso e completo de recertificação, que garante os mais altos níveis de confiabilidade e segurança operacional.

Essa aeronave de última geração é um dos pilares da estratégia da GOL para fortalecer ainda mais sua sustentabilidade como negócio, através do aprimoramento contínuo dos indicadores ambientais, sociais e de governança. As aeronaves MAX 737 promovem uma redução de 16% nas emissões de carbono e consomem 15% menos combustível em relação ao 737 NG, além de possibilitar que a Companhia gerencie mais eficazmente sua malha aérea e voe distâncias mais longas.

A GOL foi avaliada pela MSCI, em seu ESG Rating Scorecard, como uma das empresas aéreas mais sustentáveis e eficientes em carbono globalmente, atingindo índices de emissões de carbono até 20% menores que seus pares da indústria.

Resultados do 4T20

• O número de Passageiro-Quilômetro Transportado Pago (RPK) reduziu 42% comparativamente ao 4T19, totalizando 6,2 bilhões. O RPK praticamente dobrou quando comparado ao 3T20;

• O Assento Quilômetro Ofertado (ASK) diminuiu 42% em relação ao 4T19, porém aumentou 93% versus o 3T20;

• A GOL transportou 5,2 milhões de Clientes no trimestre, um declínio de 46% versus o 4T19. Em relação ao 3T20, a Companhia registrou um aumento de 100%;

• A receita líquida foi de R$1,9 bilhão, uma queda de 50% em relação ao 4T19, enquanto expandiu 94% versus o 3T20. A receita mensal foi de R$574 milhões em outubro a R$784 milhões em dezembro, um crescimento de 37% dentro do 4T20. As outras receitas (principalmente cargas e fidelidade) totalizaram R$172 milhões, equivalente a 9,1% das receitas totais. No ano de 2020 a receita líquida atingiu R$6,4 bilhões, inferior aos R$13,9 bilhões registrados em 2019;

• A Receita Líquida por Assento Quilômetro Ofertado (RASK) foi de 24,57 centavos (R$), redução de 14,4% em relação ao 4T19, e 0,6% acima do registrado no 3T20. A Receita de Passageiros Líquida por Assento Quilômetro Ofertado (PRASK) foi 22,34 centavos (R$), queda de 17% em relação ao 4T19, e crescimento de 1,5% em comparação ao 3T20;

• O EBITDA e o EBIT ajustados foram de R$558,5 milhões e R$346,8 milhões, respectivamente, e refletem o resultado do nosso gerenciamento racional e responsável da oferta em relação à demanda. No ano de 2020, o EBITDA e o EBIT ajustados foram de R$2,5 bilhões e R$1,6 bilhões, respectivamente; e

• O prejuízo líquido após participação de minoritários foi de R$862 milhões, excluindo variações cambiais e monetárias, despesas líquidas não recorrentes, ganhos relacionados a Exchangeable Notes e resultados não realizados de capped calls. No ano de 2020 o prejuízo líquido após participação de minoritários foi de R$2,3 bilhões, enquanto em 2019 a GOL obteve lucro líquido de R$0,7 bilhão.

Comentários sobre os Resultados

Em 15/01/21, a GOL completou 20 anos de atuação, com mais de 500 milhões de Clientes transportados ao longo desse período. Durante duas décadas de constantes inovações, a GOL transformou a história da aviação comercial no Brasil, e democratizou o transporte aéreo nacional com qualidade, em uma jornada que a trouxe à liderança do mercado doméstico brasileiro pelo 5º ano consecutivo, com market share de 38%.

A GOL operou mais de 4,2 milhões de voos para destinos no Brasil, na América Latina, no Caribe e nos Estados Unidos, enquanto sua frota cresceu de 13 aeronaves em janeiro/2001 para 128 atualmente.

Experiência do Cliente e Segurança pessoal: O Net Promoter Score (NPS) da GOL foi de 34 no trimestre e 38 no acumulado de 2020, uma sólida métrica indicativa da combinação vencedora do produto best-in-market e do elevado engajamento da equipe de atendimento ao Cliente da Companhia. Pelo quinto ano consecutivo, a GOL foi eleita pelo prêmio Top of Mind como a companhia aérea mais lembrada do país.

Sustentabilidade como direcionador estratégico: Por meio de sua Política de Sustentabilidade, a Companhia estabeleceu uma estratégia para fortalecer suas práticas ambientais, sociais e de governança. Em 2020, a GOL foi a única empresa brasileira incluída em uma seleta lista de 13 aéreas globais que receberam a certificação Estágio 1 da IATA Environmental Assessment, IEnVA, que é a validação de que a Companhia desenvolveu uma política ambiental consistente e está cumprindo suas responsabilidades.

Durante a pandemia, a GOL também tem apoiado importantes iniciativas de saúde e sociais, incluindo o transporte gratuito de medicamentos e de Profissionais da Saúde voando a trabalho, assim como disponibilizando a sua malha aérea aos órgãos governamentais para distribuição das vacinas. Em 2020, a Companhia fez parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein, autoridade em saúde pública e privada no Brasil e na América Latina, visando o desenvolvimento de um projeto de assessoria para avaliar, reestruturar e certificar suas já rígidas medidas de higienização contra a disseminação do coronavírus em aeronaves e aeroportos. A GOL é a primeira e única empresa no Brasil a obter o selo Einstein Covid-19 para Normas de Qualidade e Segurança.

Vendas: No quarto trimestre, as vendas brutas consolidadas atingiram aproximadamente R$2,5 bilhões, aumento de 44% em relação ao 3T20. As vendas médias diárias da GOL superaram R$27 milhões, as quais representam cerca de 80% dos níveis de venda pré-pandemia. Com os voos adicionais durante o mês de dezembro, a receita de passageiros transportados aumentou 91% sobre o 3T20. Durante o mês de novembro, a campanha de Black Friday da Companhia resultou na venda de mais de meio milhão de bilhetes.

Vacina: O Ministério da Saúde prevê ter 575,9 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 até o final deste ano, de acordo com documento apresentado em audiência federal no Senado em 04/03/21. Dessas, 414,9 milhões já foram contratadas, enquanto 161 milhões estão em negociação. A previsão inclui os imunizantes Oxford-AstraZeneca, CoronaVac, Covaxin, Sputnik V, Johnson&Johnson Janssen, Pfizer-BioNTech e Moderna. A estimativa também conta com 9 milhões de doses recebidas pelo consórcio Covax. Algumas dessas vacinas ainda não obtiveram registro ou aprovação para uso emergencial da Anvisa. O Ministério da Saúde prevê que todos os brasileiros possam ser vacinados até final de 2021.

Capacidade: A Companhia mantém forte posição nos principais aeroportos brasileiros por meio de sua malha consolidada e com principais hubs em GRU, GIG, BSB e FOR. Além disso, a GOL estabeleceu em julho/20 um novo hub em Salvador, por meio do qual a Companhia poderá explorar novos mercados regionais em conjunto com seus parceiros estratégicos.

Ajustes de malha e frota: Comparativamente ao 3T20, os voos diários dobraram chegando a 403 no 4T20, servindo 177 mercados e representando 54% da frequência diária do 4T19, sendo que 166 desses mercados são operados pela Companhia e 11 via parceiros estratégicos. A GOL reabriu 6 bases no Brasil durante o trimestre: Carajás (CKS), Fernando de Noronha (FEN), Cruzeiro do Sul (CZS), Jericoacoara (JJD), Caldas Novas (CLV) e Cabo Frio (CFB). Com essas reaberturas no quarto trimestre, a GOL operou em 100% das bases da malha doméstica do período anterior à pandemia, e permanece atenta às determinações dos governos de outros países e ao comportamento da demanda para atuar novamente com sua malha internacional. A Companhia concluiu seu plano de ajuste de frota do ano de 2020 e encerrou dezembro com um total de 127 B737s, sendo 7 MAX e com 95 aeronaves em operação, um aumento de 24 aeronaves comparativamente ao final de setembro/20.

Liquidez robusta e cumprimento das obrigações financeiras: Em 2020, a Administração da GOL honrou totalmente seus compromissos com o mercado global de capitais, incluindo as amortizações de seus Senior Notes de 2022 (US$78 milhões no 1T20), e o Term Loan B, sua principal dívida de curto prazo, no valor de US$300 milhões no 3T20.

Durante o 4T20, a Companhia amortizou aproximadamente R$1 bilhão em dívidas financeiras, reduzindo significativamente sua parcela de curto prazo, que neste momento está concentrado primordialmente com bancos locais, com os quais a GOL mantém exposição de crédito e bom relacionamento comercial. Considerando os valores financiáveis de depósitos e ativos não onerados, as fontes potenciais de liquidez da Companhia superam R$5 bilhões. O prazo médio de vencimento da dívida de longo prazo da GOL, excluindo arrendamento de aeronaves e notas perpétuas, é de aproximadamente três anos.

Proposta para Combinação de GLA e Smiles: Em dezembro, a GOL e a GLA (GOL Linhas Aéreas Ltda.) entregaram ao Conselho de Administração da Smiles uma nova proposta para combinação das duas subsidiárias operacionais da Companhia: a GLA, maior empresa aérea doméstica do Brasil; e a Smiles, o programa de fidelidade e milhagem.

Com melhor visibilidade dos requisitos necessários para uma gestão mais eficiente dos seus negócios, a GOL acredita que a transação proposta é uma etapa importante para maximizar o valor futuro para os acionistas da Companhia e da Smiles, com aumento da competitividade mercadológica do Grupo GOL. Como estamos atravessando um ambiente operacional desafiador no Brasil, isso torna a conclusão bem-sucedida dessa transação ainda mais crítica para ambas as empresas, e reduzirá os riscos que ambas enfrentam durante a pandemia. A proposta de reorganização societária está submetida à aprovação dos acionistas da Companhia e da Smiles em assembleia convocada para 24 de março.

Confiança com a Retomada

As principais iniciativas da Companhia para a retomada das viagens e a recuperação no mercado de transporte aéreo são:

Saúde e Segurança dos Colaboradores e Clientes: A GOL foi a primeira empresa aérea a receber, em 16/12/20, a Certificação do Einstein chancelando os rígidos protocolos de Segurança e Saúde adotados pela Companhia. Com o apoio do Hospital Albert Einstein, que é referência em saúde pública e privada no Brasil e na América Latina e um dos protagonistas nas ações de enfrentamento da Covid-19 no País, a GOL mapeou, avaliou e ajustou os seus já rígidos protocolos de sanitização.

Transporte e disponibilização de vacinas pelo Brasil: O Programa Nacional de Imunização foi iniciado em 18/01/21, após a aprovação da Anvisa para o uso emergencial das vacinas Oxford-AstraZeneca e CoronaVac. A GOL está disponibilizando gratuitamente espaço em suas aeronaves às autoridades brasileiras para o transporte das vacinas de Covid-19, colaborando assim com o Programa, de vital importância para confrontar essa pandemia. A progressiva imunização é um sinal positivo para reaquecimento econômico e aumento da demanda por voos da Companhia, reativando também a demanda do segmento corporativo.

Melhoria de eficiência com retorno do 737 MAX à frota: A GOL foi a primeira empresa aérea do mundo a retomar voos comerciais com o MAX, após a conclusão do processo de recertificação da aeronave. A reintrodução deste equipamento à malha doméstica em rotas de longa distância teve completa aceitação por parte dos Clientes.A Companhia tem um pedido de recebimento futuro de 95 aeronaves MAX e espera acelerar a transição do atual modelo 737 NG, de forma a potencializar as oportunidades de redução de custo e ganhos de eficiência. Em janeiro/21, a GOL recebeu sua 8ª aeronave 737 MAX e espera terminar o ano com nove entregas adicionais, o que intensificará suas economias de custo com combustível.

Atualmente, todas as oito aeronaves 737 MAX estão operando rotas domésticas de etapa média mais longa enquanto há uma recuperação mais lenta no mercado internacional. A GOL espera encerrar o ano com aproximadamente 15% da frota de NGs substituída pelo MAX, o que irá acelerar a retomada do CASK aos patamares comparáveis ao período pré-pandemia.

Considerações para o 1T21

Cargas: A GOLLOG lançou o Super Expresso em janeiro/21, serviço que permite a entrega de encomendas no mesmo dia, utilizando inteligentemente a capilaridade e o alcance nacional da malha aérea da Companhia. Em fevereiro/21, a GOLLOG firmou parceria com o grupo Comporte, formado pelas empresas Tex, União, Itamarati, Cruz e Elux, para incrementar serviços de entrega multimodal e fortalecer o conceito de “última milha”, unindo a eficiência do transporte rodoviário com a capilaridade da malha da Companhia.

Arrefecimento da demanda por viagens: Em fevereiro/21, houve uma queda de 15% na busca por passagens aéreas da Companhia, em relação a janeiro/21, com uma redução de 28% no volume de vendas durante esse mês, em função da queda persistente na demanda por viagens decorrente de três fatores: da “segunda onda” de casos de Covid-19 no Brasil, de Clientes aguardando pela vacinação e do início da baixa temporada.

Capacidade: Como resposta à relevante queda nas vendas, aumento no número de cancelamentos e não comparecimentos (no-show), a malha aérea da GOL foi reduzida em 4% entre a primeira e a quarta semanas de fevereiro para adequar os custos ao patamar de entradas. Em março/21, a Companhia implementará uma redução ainda maior e operará cerca de 250 voos/dia, o que significa cerca de 40% do realizado em março/20.

A adequação da capacidade à demanda tem sido uma vantagem chave da gestão de frota da Companhia ao antecipar este movimento enquanto se observa um poder de reação mais lento de seus pares. O cenário atual de planejamento de capacidade da GOL assume uma redução de 7% no 1T21 em relação ao 4T20. Após diminuir sua frota em 13 aeronaves B737-800 arrendadas em 2020, a Companhia planeja devolver outras quatro aeronaves no 1T21.

Aumentando a Vantagem de Custo da GOL: Em fevereiro/21, a GOL operou cerca de 355 voos/dia, o que significa cerca de 48% do realizado em fevereiro/20. Essa redução na programação de voos domésticos da Companhia reflete a menor demanda por viagens no Brasil, como consequência da segunda onda de Covid-19 e o início da baixa temporada. Neste mês, a GOL adaptou sua frota e opera 59 aeronaves em sua malha para controlar a capacidade e os custos no período de menor demanda. Para o 1T21, a GOL espera manter os custos de pessoal em sua posição reduzida, ou seja, de até 40% dos patamares pré-pandemia. Por ter convertido uma parcela significativa dos seus custos fixos de folha de pagamento e de frota em custos variáveis, a Companhia está bem posicionada para expandir sua liderança em custo unitário.

Atuando para o equilíbrio no fluxo de caixa: Com base em premissas conservadoras e promovendo o necessário “casamento” de ativos e passivos neste ambiente de baixa demanda, a GOL vem implementando medidas para minimizar o consumo líquido de caixa e manter o equilíbrio de seu fluxo de caixa operacional. Para o 1T21, em função da antecipação na transição de sua operação da alta para a baixa temporada devido as suspensões do feriado de carnaval, a Companhia estima um consumo líquido de R$3 milhões/dia, uma visão cautelosa com base no recente aumento do número de casos de Covid-19 no Brasil.

Liquidez: A GOL espera encerrar o 1T21 com R$1,9 bilhão em liquidez e R$14,3 bilhões em dívida líquida ajustada. Diversas importantes iniciativas são relevantes para assegurar que a Companhia mantenha a liquidez nos patamares esperados no final do 1T21. Richard Lark concluiu: “O apoio contínuo dos nossos stakeholders é fundamental para assegurar a manutenção dos meses necessários com os recursos disponíveis para a GOL atravessar essa crise.”

Mais Informações sobre o Resultado

Informações mais detalhadas sobre o resultado do 4T20 estão disponíveis no website de relações com investidores (www.voegol.com.br/ri). Nesse endereço estão disponíveis os vídeos com a apresentação dos resultados, análise financeira e as respostas a algumas perguntas recebidas anteriormente, de forma a reservar mais tempo para perguntas e respostas nas teleconferências.

* Nota: Todas as informações são apresentadas em Reais (R$), de acordo com as normas internacionais de contabilidade (IFRS) e com métricas ajustadas e estão disponibilizadas para possibilitar a comparabilidade nesse trimestre de queda na demanda com o mesmo período do ano anterior. Tais indicadores ajustados excluem os gastos relacionados ao percentual da frota não operacional que a GOL manteve em solo nesse período, e estão detalhados na tabela da seção “despesas operacionais”. As comparações são em relação ao quarto trimestre de 2019 (4T19), exceto quando especificadas de outra forma.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias