GOL retira Boeings 737 de operação após detectar trincas

A GOL Linhas Aéreas informou que concluiu hoje (09/10) a inspeção em sua frota de Boeings 737, e detectou algumas aeronaves com trinca.

Segundo comunicado da companhia aérea:

“A inspeção foi feita conforme a aplicabilidade definida pela Diretriz de Aeronavegabilidade emitida pela Federal Aviation Administration (FAA), autoridade de aviação americana responsável pela certificação primária das aeronaves modelo Boeing 737 NG, garantindo os mais elevados padrões de Segurança – valor número um da empresa e que direciona absolutamente todas as suas atividades.

Como resultante desse processo, a Companhia retirou de operação as aeronaves nas quais foram encontrados indícios da necessidade de substituição de um componente específico, cujas características se apresentaram fora dos padrões estabelecidos pelo fabricante, reportando essas ocorrências à FAA e à Boeing, de forma coordenada com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Essas aeronaves permanecerão inoperantes até o cumprimento da manutenção.”

Consequentemente, fez-se necessário um remanejamento de parte da malha aérea da GOL, afetando aproximadamente 3% do total de Clientes a serem transportados de hoje até o próximo dia 15 de dezembro.

A empresa esclarece que os Clientes impactados estão sendo informados previamente por SMS, por e-mail e pelas agências de viagem, e acomodados em outros voos da própria GOL ou das empresas congêneres. 

A GOL informou que lamenta pelos eventuais transtornos causados e reforça que tem trabalhado intensamente para minimizar os potenciais efeitos aos seus Clientes, aos quais desde já agradece pela compreensão.

A empresa não afirmou quantas aeronaves foram afetadas, mas estima-se que seja em torno de 5 ou 6 aeronaves, provavelmente os matriculados PR-VBO, VBI, VBH, GEE, GTG e GIU.

Somado aos sete 737 MAX parados, são estimados menos 13 jatos na frota da companhia.

Outros Boeing 737 NG também estão sendo parados pelo mundo, conforme informações a seguir:

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Acordo de “céus abertos” entre Brasil e Canadá é aprovado na...

0
Os acordos de serviços aéreos têm conferido maior abertura às empresas aéreas no estabelecimento de rotas e frequências de voos.