Início Mercado Governos da Europa estão matando a demanda aérea e precisam de padronização,...

Governos da Europa estão matando a demanda aérea e precisam de padronização, diz IATA

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Aviões Caudas Pátio
Imagem: Jeroen Stroes Aviation Photography from Netherlands / CC BY

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) anuncia que apoia as propostas apresentadas pela Comissão Europeia (CE) para uma melhor coordenação e comunicação sobre as restrições de viagens na União Europeia (UE) durante a pandemia da Covid-19.

Rafael Schvartzman, vice-presidente regional da IATA para a Europa, comentou que as pessoas querem viajar, mas a imprevisibilidade na forma como os governos estão implementando as medidas da Covid-19 está matando a demanda.

“As pessoas precisam de fácil acesso às informações para que possam se planejar. Elas precisam de previsibilidade para saber que as regras não mudarão da noite para o dia”, disse Schvartzman.

As principais propostas da CE são as seguintes:

  • Maior previsibilidade com critérios comuns para a introdução de medidas para Covid-19 e aviso prévio de mudanças semanais;
  • Critérios comuns para medidas com preferência para teste em vez de quarentena;
  • Comunicação simplificada de risco usando um sistema de semáforo codificado por cores.

Para Schvartzmans, as propostas da CE são uma oportunidade para a Europa passar do bloqueio para o gerenciamento de riscos, aprendendo a conviver com o vírus. “Os objetivos de previsibilidade e clareza são os corretos. Esperamos trabalhar com a CE para refinar e implementar essas medidas de forma consistente em seus estados membros”.

A UE está propondo simplificar os cálculos da taxa de infecção em quatro categorias de risco, como segue:

– Verde para uma área onde:

  • o número total de casos de Covid-19 recém-notificados é inferior a 25 por 100.000 pessoas durante um período de 14 dias, E
  • a porcentagem de resultados positivos de todos os testes de Covid-19 é inferior a 3%;

– Laranja para uma área onde

  • o número total de casos de Covid-19 notificados recentemente é inferior a 50 por 100.000 durante um período de 14 dias, MAS
  • a porcentagem de resultados positivos de todos os testes de Covid-19 é de 3% ou mais
  • OU
  • o número total de novos casos de Covid-19 notificados está entre 25 e 150, MAS
  • a porcentagem de testes positivos de todos os testes de Covid-19 é inferior a 3%;

– Vermelho para uma área onde

  • o número total de casos de Covid-19 recém-notificados é superior a 50 por 100.000 durante um período de 14 dias, E
  • a porcentagem de resultados positivos de todos os testes de Covid-19 é 3% ou mais
  • OU
  • o número total de novos casos de Covid-19 notificados é mais de 150 por 100.000 pessoas durante um período de 14 dias;

– Cinzento se

  • as informações disponíveis forem insuficientes para avaliar os critérios propostos pela Comissão
  • OU
  • o número de testes de Covid-19 realizados por 100.000 pessoas for inferior a 250.

Especificamente, a CE propõe que os Estados-Membros não restrinjam a livre circulação de pessoas que viajam de outro Estado-Membro que cumpra critérios específicos.

A CE afirma ainda que os viajantes que chegam de estados “vermelhos” ou “cinzentos” podem ser submetidos a um teste de Covid-19 após a chegada ou antes da partida, a opção preferida da Comissão, com a quarentena imposta apenas como último recurso.

“Além de simplesmente medir a disseminação da COVID-19, é igualmente vital que os governos concordem com as medidas que devem ser impostas. O teste, junto com o rastreamento robusto, é uma solução muito melhor do que a quarentena. A atual colcha de retalhos de medidas implementadas por governos em toda a Europa não faz sentido cientificamente, não encoraja a confiança pública e está dificultando o reinício de serviços aéreos viáveis​​”, disse Schvartzman.

Um retorno bem-sucedido das viagens aéreas em toda a UE ajudaria a recuperação econômica, mas só a abertura total dos serviços internacionais preservará os sete milhões de empregos na aviação e na economia europeia em geral que estão em risco com o atual colapso das viagens aéreas.

A aplicação dos mesmos critérios comuns a países fora do espaço Schengen ajudaria no processo de reabertura das fronteiras intercontinentais, e a IATA apela aos Estados europeus para que o implementem.

“Embora as sugestões sobre clareza e harmonização sejam bem-vindas, a Comissão apenas pode recomendar, não fazer cumprir. Esperamos que, desta vez, os estados europeus ouçam, ajam em coordenação e usem esta metodologia para abrir as fronteiras aos viajantes fora da UE”, disse Schvartzman.

Informações oficiais da IATA

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.