Grupo de Transporte Especial da FAB comemora seus 80 anos

O Airbus A319 (VC-1) do GTE sobrevoando Brasília

O Grupo de Transporte Especial (GTE) da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, na última quarta-feira, dia 2 de junho, a cerimônia alusiva ao seu 80º aniversário. A solenidade ocorreu na Base Aérea de Brasília e foi presidida pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior. O evento contou com homenagens e entrega de medalhas militares.

Participaram, ainda, da cerimônia o Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno; o Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar José Augusto Crepaldi Affonso; Oficiais-Generais da FAB; Comandantes, Chefes e Diretores de Organizações Militares da Aeronáutica, dentre outros.

Durante o evento, o Comandante do GTE, Tenente-Coronel Aviador Wallace Gonçalves Teixeira, ressaltou a importância do Grupo de Transporte Especial para o País.

“O GTE tem uma missão singular de transportar nas asas da Força Aérea Brasileira aqueles que conduzem os destinos da nação brasileira. Além disso, por exemplo, por ocasião da pandemia que mudou a rotina dos cidadãos do Brasil e do mundo, o Grupo de Transporte Especial sempre esteve à disposição para o cumprimento de missões de UTI aérea e Evacuação Aeromédica. Foram muitas missões cumpridas em apoio à Operação Covid-19”, pontua.

O Grupo de Transporte Especial

Embraer 190 (VC-2) do GTE

A missão do GTE ultrapassa os limites do transporte de autoridades nacionais e estrangeiras. Sob demanda do Comando Superior, a Unidade também conduz comitivas, órgãos para transplante e enfermos em UTIs aéreas. Na recente pandemia da COVID-19, foi responsável por repatriar brasileiros que estavam em Wuhan, na China, além de auxiliar no transporte de materiais hospitalares e demais insumos para o combate em outras localidades.

Uma das Unidades Aéreas mais antigas da Força Aérea Brasileira, o GTE surgiu como Seção de Aviões de Comando, em 4 de junho de 1941, no antigo Campo do Calabouço, hoje aeroporto Santos-Dumont, no Rio de Janeiro (RJ), então Capital Federal.

Imagem: Arquivo/GTE

Em março de 1954, a Unidade passou à subordinação do Gabinete do Ministro da Aeronáutica, sendo então renomeada como Esquadrão de Transporte Especial. A denominação atual data de 1957, e a transferência do Rio de Janeiro para Brasília ocorreu em 1960, quando a cidade foi fundada.

Com mais de 530 mil horas voadas, o GTE opera, atualmente, as aeronaves Airbus A319 (VC-1), Embraer 190 (VC-2), Embraer 135 e 145 (VC-99), além dos helicópteros EC-135 (VH-35) e EC-225 (VH-36).

A Unidade Aérea é subordinada, operacionalmente, ao Gabinete do Comandante da Aeronáutica. Nos seus 80 anos de existência, o Grupo de Transporte Especial vem cumprindo, com segurança e eficiência, a missão de transportar o Presidente e as autoridades do primeiro escalão da República, bem como dignitários estrangeiros, quando determinado pelo Comandante da Aeronáutica.

Informações da Força Aérea Brasileira

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias