“Impacto sem precedentes”: Lufthansa tem prejuízo de 2,1 bilhões de euros

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O Grupo Lufthansa divulga hoje seus resultados do primeiro trimestre de 2020, cuja publicação estava originalmente prevista para 30 de abril e foi adiada devido aos efeitos da crise do novo coronavírus, destacando impactos jamais vistos em sua história.

Avião Boeing 747-8I Lufthansa
Boeing 747-8I

Embora os índices mais importantes já tenham sido relatados em um comunicado provisório em 23 de abril, a empresa agora apresenta oficialmente os resultados do trimestre.

“O tráfego aéreo global veio a uma parada virtual nos últimos meses. Isso impactou nossos resultados trimestrais em uma extensão sem precedentes. Tendo em vista a recuperação muito lenta da demanda, precisamos agora tomar medidas de reestruturação de longo alcance para combater isso”, disse Carsten Spohr, Presidente do Conselho Executivo do Grupo Lufthansa.

As restrições de viagem impostas devido à disseminação global do coronavírus impactaram significativamente o desenvolvimento de ganhos do Grupo Lufthansa no primeiro trimestre de 2020.

A receita do grupo no primeiro trimestre caiu 18%, para 6,4 bilhões de euros (ano anterior: 7,8 bilhões de euros). A redução de custos pôde compensar apenas parcialmente o declínio da receita no trimestre. O EBIT (Lucro Antes de Impostos e Taxas) ajustado mostrou um prejuízo de 1,2 bilhão de euros no período inicial de 2020, frente a um prejuízo no ano anterior de 336 milhões de euros. Já o resultado líquido chegou a um prejuízo de 2,1 bilhões de euros (12,2 bilhões de reais).

O Grupo registrou perdas de 266 milhões de euros relacionadas às aeronaves desativadas e 157 milhões de euros no ágio da LSG North America e Eurowings. O desenvolvimento negativo do valor de mercado dos hedges de custo de combustível teve um impacto negativo de 950 milhões de euros no resultado financeiro nos três primeiros meses do ano.

Desenvolvimento de tráfego

No total, as companhias aéreas do Grupo Lufthansa transportaram 21,8 milhões de passageiros nos primeiros três meses, cerca de um quarto a menos do que no mesmo trimestre do ano passado (- 26,1%). O fator de ocupação de assentos caiu 4,7 pontos percentuais, para 73,3% nesse período.

A capacidade de carga oferecida caiu 15% e os quilômetros de frete vendidos, 15,5%. Isso resulta em um fator de ocupação de carga de 62,5%, que é 0,4 ponto percentual menor. 

Considerando-se apenas o mês de abril, as companhias aéreas do Grupo Lufthansa registraram um declínio anual de 98,1% no número de passageiros, para 241.000. A oferta caiu 96,0%. O fator de ocupação de assentos caiu 35,8 pontos percentuais, para 47,5%.

A oferta de capacidade de carga foi 60,7% menor que em abril de 2019, em especial devido à falta de capacidade nos voos de passageiros. Por outro lado, os quilômetros de carga vendidos caíram apenas 53,1%, de modo que o fator de ocupação de carga aumentou 11,5 pontos percentuais, para 71,5%.

Avião MD-11F Lufthansa Cargo
Cargueiro MD-11F da Lufthansa

Apesar de ainda não divulgados, o Grupo informa que os volumes de passageiros e frete em maio foram novamente significativamente menores do que no ano anterior.

Desenvolvimento de liquidez

As medidas de apoio estatal garantem a solvência da empresa até que seja capaz de gerar fundos suficientes com seus próprios recursos. Em 31 de março de 2020, a liquidez (capital disponível para uso no curto prazo) do Grupo Lufthansa era de cerca de 4,3 bilhões de euros.

“Conseguimos reduzir custos fixos em um terço em um curto período de tempo. No entanto, em nossos negócios operacionais, estamos consumindo atualmente cerca de 800 milhões de euros de nossa reserva de liquidez por mês. Além disso, o reembolso de passagens aéreas canceladas e o pagamento de passivos financeiros vencidos terá um impacto negativo previsível em nosso desenvolvimento de liquidez”, disse Thorsten Dirks, membro do Conselho Executivo de Finanças e Digital do Grupo Lufthansa.

Grupo Lufthansa inicia reestruturação abrangente

“Para pagar os empréstimos e cupons rapidamente, teremos que aumentar significativamente nosso fluxo de caixa anual livre em comparação com os níveis pré-crise – mesmo que a demanda global por voos permaneça abaixo dos níveis pré-crise nos próximos anos. Teremos sucesso nisso apenas se implementarmos programas de reestruturação em todas as áreas do Grupo e concordarmos em soluções inovadoras com os sindicatos e conselhos de trabalho”, afirma Thorsten Dirks.

O Grupo Lufthansa planeja reduzir significativamente os custos unitários em comparação com os níveis pré-crise. Entre outras coisas, os custos fixos foram reduzidos pelo encurtamento do período de trabalho de cerca de 87.000 funcionários, pelo adiamento ou cancelamento de projetos planejados e pelo adiamento de eventos de manutenção.

Além disso, os programas de reestruturação em andamento na Austrian Airlines e Brussels Airlines estão sendo intensificados. A Brussels Airlines planeja reduzir sua frota em 30% e sua força de trabalho em 25%. A Austrian Airlines decidiu reduzir sua capacidade a longo prazo, reduzindo sua frota em 20%, e concordou com os conselhos de trabalho em reduzir os custos com pessoal em cerca de 20%.

Avião Airbus A321 Austrian Airlines
Airbus A321 da Austrian Airlines

Programas de reestruturação e redução de custos também serão lançados em outras empresas do Grupo Lufthansa. As negociações com os fabricantes de aeronaves sobre adiamentos extensivos de aquisições planejadas de aeronaves continuam.

Além disso, a venda de unidades de negócios não essenciais individuais está sendo examinada no médio prazo.

Desenvolvimento de capacidade

A redução no desempenho do tráfego em mais de 95% nos meses de abril e maio resultou no grupo inicialmente estacionando 700 de suas 763 aeronaves.

A partir de meados de junho, no entanto, as companhias aéreas do Grupo Lufthansa ampliarão significativamente seus horários para cerca de 2.000 conexões semanais para mais de 130 destinos em todo o mundo. O objetivo é tornar muitos destinos acessíveis novamente para turistas e viajantes de negócios.

Ontem, o Conselho Executivo decidiu aumentar a capacidade oferecida em setembro em até 40% do cronograma original. Ao mesmo tempo, o número de destinos aumentará para 70% do plano original para voos de longo curso e 90% para voos de curto curso, a fim de oferecer aos clientes a maior variedade possível de destinos. Para isso, está sendo elaborada uma expansão passo a passo do horário dos voos nos próximos três meses.

Ao fazer isso, a empresa planeja aumentar gradualmente a demanda, mas ainda espera 300 aeronaves estacionadas em 2021 e 200 em 2022. Mesmo após o final da crise, que deve terminar em 2023, o Grupo espera que sua frota permaneça 100 aeronaves menor. Também é esperado inicialmente um declínio considerável na demanda para os negócios de terceiros das empresas de serviços.

Previsão de Resultados

O desenvolvimento incerto da pandemia do coronavírus continua impossibilitando uma previsão precisa da tendência de ganhos para 2020. O Grupo Lufthansa continua esperando um declínio significativo no EBIT ajustado.

“Mesmo nesta crise única, estamos trabalhando duro para defender nossa posição de liderança na Europa”, disse Carsten Spohr.

Informações oficiais da Lufthansa

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Mais um grande avião Antonov 124 vem ao Brasil na tarde...

0
Mais um aeroporto brasileiro receberá a visita de um dos poucos exemplares existentes do segundo maior avião cargueiro do mundo.