Índia agora decide que os quase 100 A320neo da IndiGo trocarão todos os motores P&W

A companhia aérea indiana IndiGo deverá substituir todos os motores canadenses Pratt & Whitney (P&W) de sua frota de quase 100 aviões da família Airbus A320neo por novos motores da P&W, disse nesta sexta-feira a agência reguladora da Índia, segundo informações da Reuters.

Motor PW1100 Pratt & Whitney A320neo
Motor PW1100 dos A320neo

Os incidentes causaram “sérias preocupações” e a decisão de pedir a substituição dos motores foi tomada após “deliberações consideráveis”, afirmou a Direção Geral de Aviação Civil (DGCA) em comunicado.

“Quatro eventos sucessivos nunca aconteceram antes e, portanto, pedimos uma ação urgente e eficaz. Lamentamos o inconveniente, mas precisamos de medidas desesperadas para colocar as coisas em ordem”, afirmou a DGCA.

“Esta situação não pode continuar indefinidamente”, afirmou, acrescentando que os motores precisariam ser substituídos até 31 de janeiro de 2020.

A IndiGo tem a maior frota de aviões A320neo em operação no mundo, além de centenas de unidades encomendas.

Embora os motores Pratt & Whitney sejam eficientes em termos de combustível, houve problemas desde que entraram em serviço em 2016, forçando a companhia aérea a aterrar seus aviões várias vezes.

As consequências custaram caro à IndiGo, que no mês passado registrou sua maior perda trimestral de todos os tempos, depois de ser forçada a alugar aeronaves para substituir aviões parados.

Avião Airbus A320neo IndiGo
A320neo da IndiGo – Imagem: Airbus

“Estamos trabalhando com a P&W e a Airbus na mitigação, para que tenhamos motores de reposição modificados suficientes até 31 de janeiro de 2020. Enquanto isso, nosso cronograma de voos permanece intacto”, afirmou em comunicado a companhia.

A DGCA disse na segunda-feira que os aviões equipados com os motores da série Pratt & Whitney 1100 com mais de 2.900 horas de duração devem ter pelo menos um motor modificado dentro de 15 dias, impactando 16 dos aviões da IndiGo.

Em seu comunicado divulgado nessa sexta-feira, a DGCA disse que mais sete aviões da IndiGo apresentaram o mesmo problema, levando o total para 23. Ela pediu à companhia aérea que substituísse pelo menos um motor nesses 23 aviões até 19 de novembro, e depois será necessário substituir os dois motores em toda a frota do A320neo.

O chefe da DGCA, Arun Kumar, que foi recentemente nomeado para o cargo, está tomando as decisões em relação à segurança, disse Kapil Kaul, CEO da consultoria CAPA na Índia.

“Isso dá tempo para que essas trocas de motores sejam concluídas e ainda permaneçam firmes na segurança”, disse Kaul, acrescentando que a Pratt & Whitney precisará garantir que todos os motores sejam substituídos dentro do prazo.

Problemas dos PW1100 arrastam-se desde 2018

Em fevereiro de 2018, a Airbus já havia decidido que não mais aceitaria motores PW1100G da Pratt & Whitney, modelo que equipa o seu best-seller A320neo.

Após diversos problemas com os primeiros operadores destes modelos em 2016 e 2017, uma nova dor de cabeça voltava a aparecer para a fabricante europeia.

Diversos operadores estavam reportando que o motor desligava em voo e, em alguns casos, também durante a decolagem, causando a abortagem da mesma.

E os problemas estavam ocorrendo exatamente nas últimas aeronaves entregues, ou seja, nos motores mais novos e que teoricamente já deveriam ter tido o problema resolvido de fábrica. Veja mais detalhes na matéria a seguir:

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.