Infraero entrega melhorias e vai dobrar a capacidade do Aeroporto de Foz até o fim do ano

A Infraero entrega, nesta sexta-feira (28/6), parte das obras de ampliação do Aeroporto de Foz do Iguaçu/Cataratas (PR). Confira o que muda.

Será inaugurada a nova sala de desembarque doméstico. Com 1,2 mil m², o espaço é mais de três vezes maior do que a área antiga, que contava com 350 m². A sala também ganhou um novo conjunto de sanitários, além de mais uma esteira de bagagens. Também será apresentado o novo saguão de passageiros, que tem quase o dobro do tamanho da estrutura atual, passando de 800 m² para 1,5 mil m².   

Durante o evento, a Infraero ainda anunciará a execução da nova drenagem na pista de pousos e decolagens, com valor de R$ 2,5 milhões, aumentando ainda mais a segurança das operações de pousos e decolagens. Além disso, a empresa e a Itaipu Binacional assinarão protocolo de intenções que prevê a realização de um conjunto integrado de atividades com o objetivo de tornar o aeroporto de Foz do Iguaçu uma referência nacional em sustentabilidade. 

Além disso, a partir do fim de julho, o Aeroporto de Foz vai passar a contar com serviço de Wi-fi gratuito.

Andamento das obras

Com investimento de R$ 32,7 milhões, as obras no aeroporto paranaense tiveram início em junho de 2018. Até o momento, já foram executados 56,2% do total. A entrega da segunda etapa das obras está prevista para dezembro. Com o fim dos trabalhos, a capacidade do terminal passará dos atuais 2,6 milhões para 5 milhões de passageiros ao ano. Ao final, o aeroporto estará totalmente modernizado e reformado, com melhorias na área de check-in, salas de embarque e desembarque ampliadas, duas novas escadas rolantes, três novos carrosséis de bagagens, quatro novos elevadores e quatro novas pontes de embarque.  

“Com a reforma, somente as salas de embarque, que hoje têm 900 m², passarão para 5.400 m²”, detalhou Joacir Araújo. “Os principais benefícios da obra são a elevação do nível de conforto dos passageiros, além de uma área comercial muito mais ampla e abrangente, atendendo com muito mais rapidez e qualidade os nossos viajantes”, acrescentou. 

Além disso, o Fundo Iguaçu investiu em um projeto de revitalização da pista de pouso e decolagem. A restauração recebeu investimentos de aproximadamente R$ 13 milhões e foi concluída em julho de 2018, o que aumentou a segurança e a qualidade da rolagem para as aeronaves, e prolongou a vida útil da pista, resultando em menor necessidade de intervenções para reparos de manutenção.  

Ainda, a Itaipu Binacional, em convênio com a Infraero, está investindo R$ 6 milhões na duplicação de via de acesso ao aeroporto, que vai incluir o alargamento da pista de veículos, que passará de duas para quatro faixas e construção de alças de retorno, acostamentos, viadutos, ciclovia, passarela de pedestres e abrigos de ônibus.  

Em 2018, o aeroporto iguaçuense registrou 2,3 milhões de viajantes, entre embarques e desembarques. Três companhias aéreas operam voos comerciais em Foz: Gol, Latam e Azul, que ligam a cidade a Curitiba (PR), São Paulo (SP), Campinas (SP), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Florianópolis (SC), Confins (MG) e Lima, no Peru. 

Aeroporto certificado  

No início de junho, o Aeroporto de Foz do Iguaçu recebeu o Certificado Operacional da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O documento atesta a capacidade operacional do terminal paranaense de acordo com os pareceres de segurança e excelência estabelecidos pelos órgãos da aviação civil nacional e internacional. 

A certificação também revogou a portaria que restringia a quantidade de pousos e decolagens por semana no terminal fronteiriço. Com isso, a expectativa é que o aeroporto de Foz receba cada vez mais passageiros e novas rotas.  

O Certificado Operacional de Aeroporto é uma exigência do Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC) 139 da Anac. As avaliações são orientadas pela Organização Internacional de Aviação Civil (OACI), que determina os critérios operacionais a serem atendidos por terminais no mundo inteiro. 

Nova Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) 

Durante o evento, a Infraero também entregará a nova Estação Tratamento de Efluentes (ETE) do aeroporto. Com investimento de R$ 2,59 milhões, a ferramenta é a mais moderna da rede de terminais da empresa, e vai ampliar a capacidade de processamento do esgoto, além de contar com um sistema integrado de tratamento biológico e químico, que vai oferecer mais segurança nos resultados das análises finais dos efluentes já tratados. 

A ETE é do tipo compacta e modular, com flexibilidade para futuras ampliações, e dispõe de tratamento do tipo biológico, seguido de tratamento físico químico. O sistema ainda possibilita o reuso do esgoto tratado para fins não potáveis em atividades externas às edificações, tais como desemborrachamento de pista, irrigação de áreas verdes, entre outros.  

O sistema tem capacidade para tratar 250 m³/dia, o que atende um horizonte de 15 a 20 anos, possibilitando o atendimento de uma demanda de 520,7 mil passageiros por mês. Isso equivale a uma pequena estação, com capacidade para tratar o esgoto de um bairro com 2,6 mil moradores. 

Responsabilidade ambiental 

Visando o cumprimento do Termo de Compromisso firmado junto ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), a Infraero iniciou, no fim de 2018, o projeto de fornecimento e plantio de 10 mil mudas nativas da Mata Atlântica dentro da área do Aeroporto de Foz do Iguaçu. Para o plantio, foi estabelecida utilização de pelo menos 8 espécies distintas, de modo a atingir o objetivo da reposição florestal na região. 

Da assessoria de imprensa – Infraero

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.