Interjet está aliviada por se livrar dos seus últimos aviões russos Sukhoi SJ100

Interjet Sukhoi

A Interjet formalizou planos para retirar de serviço todos os Sukhoi Superjet 100/95 até 31 de dezembro de 2019. Após a aposentadoria dos SSJ, a Interjet concluirá a transição para uma frota totalmente composta por aeronaves Airbus. 

Apesar de ter 21 aviões regionais do modelo e ser sua única operadora comercial fora do mundo de língua russa, a transportadora mexicana só está operando quatro deles, enquanto que os outros 17 estão parados em vários aeroportos mexicanos.

Segundo o FlightGlobal, o processo de parada definitiva das operações do SSJ começou em 2018, motivado por vários problemas relacionados com a falta de confiabilidade da aeronave.

Apesar dos Sukhoi serem aeronaves novas, com média de 5,8 anos de idade, isso não impediu que uma série de problemas mecânicos e nos motores ao longo dos anos forçasse a companhia aérea cancelar voos e tomar medidas emergenciais para não prejudicar os passageiros, culminando com a Interjet recebendo quase US$ 40 milhões em compensação.

Alguns SSJ parados no aeroporto de Toluca

De acordo com sistemas de rastreamento e voos, nos últimos tempos, a Interjet tem usado os últimos SSJ em voos de Toluca para Acapulco, Cancun, Guadalajara, Ixtapa e Puerto Vallarta, além de Monterrey e Guadalajara para Houston e San Antonio (EUA).

Além dos quatro Sukhoi SSJ remanescentes, a Interjet tem em sua frota e 64 Airbus, sendo 44 A320-200, 6 A320neo, 6 A321-200 e 8 A321-200neo.

Além do Sukhoi, um novo rolo para a Interjet

Separadamente, a mídia mexicana informou que a Interjet estava envolvida em uma disputa legal em andamento entre sua holding controladora, o Grupo Alemán, e o Grupo Televisa sobre a venda de ações do Sistema Radióvision, uma holding de 17 estações de rádio.

Na semana passada, o jornal El Economista informou que o Nono Tribunal Civil da Cidade do México congelou as contas de todas as empresas pertencentes ao Grupo Alemán em 14 de novembro, enquanto se aguarda a resolução da disputa com o Grupo Televisa. A holding de mídia acusou o Grupo Alemán de não cumprir os termos do contrato de julho para adquirir 50% das ações do Sistema Radióvision por US$ 64,1 milhões. O Grupo Alemán rejeitou as acusações.

Em comunicado divulgado no Twitter (acima), a empresa negou ter sido afetada pela disputa e sublinhou que suas contas não foram congeladas. Destacou também que todas as operações continuavam conforme o planejado.

Em julho desse ano, saiu na mídia uma informação de que a Interjet estaria à venda, essa história pode ser verificada na matéria abaixo:

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.