ITA Transportes Aéreos já está com frota inicial completa, aponta CEO

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O CEO da ITA Transportes Aéreos compartilhou hoje (6) a informação de que sua empresa já selecionou todos os dez aviões para o início das operações.

Em uma publicação em seu perfil no LinkedIN, Tiago Senna, CEO da ITA Transportes Aéreos, braço aéreo da Grupo Itapemirim, publicou uma foto com outros executivos celebrando a conclusão da definição das 10 primeiras aeronaves da companhia. Na foto estão Sidnei Piva, presidente do Grupo Itapemirim, e o vice-presidente Adilson Furlan, além do próprio Senna.

Todos fazem sinal de ambas as mãos abertas, como se estivessem mostrando o número dez, em alusão aos 10 jatos Airbus A320ceo que deverão compor a frota da empresa no início do projeto.

Outra novidade, revelada hoje (6) pelo Jornal Estado de São Paulo, é que o dinheiro para dar início à companhia não está sendo bancado pelos árabes, mas sim pelo próprio Grupo Itapemirim. No total, a empresa espera operar com 56 aeronaves em três anos, das quais a primeira está prevista para aterrissar no Brasil neste mês.

Dessas dez aeronaves, três já foram reveladas a partir de dados públicos do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), como mostramos numa matéria anterior (vide abaixo). Todas elas são oriundas da empresa indiana IndiGo, e devem passar pelos EUA antes de virem ao Brasil, conforme indicou Senna numa entrevista recente.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Aeroporto Berlim Tegel Despedida

Aeroportos desativados irão se transformar em centros de vacinação

0
Governantes se preparam para usar aeroportos desativados como centros de vacinação para acelerar imunização da população.