ITA Transportes Aéreos quer contratar 1.500 funcionários no próximo ano

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Com perspectiva de chegada das aeronaves no próximo mês e de entrar no mercado de trens, o Grupo Itapemirim almeja contratar mais de mil em 2021 só para a aérea.

A informação foi divulgada pelo dono do Grupo Itapemirim, Sidnei Piva, em entrevista à Revista Veja, a qual foi compartilhada pela página oficial da empresa no Facebook. Na entrevista, Piva afirma que serão abertas 1.500 vagas apenas para a ITA Transportes Aéreos, além de outras posições para o ramo de ônibus e a futura divisão ferroviária.

Estas mais de mil vagas seriam abertas em todos os setores da empresa, incluindo a parte administrativa, de pessoal de solo em aeroportos e tripulantes, sendo que esta última categoria já teve sua turma inicial formada, a fim de ajudar no processo de certificação da empresa.

A companhia espera receber seu primeiro jatos ainda em Janeiro de 2021, visando a sua certificação e primeiro voo comercial em março. Em paralelo, o time já contratado atua para obter as certificações e homologações da ANAC e a cada semana novidades surgem sobre essa importante etapa pré-operacional.

Depois que as dez primeiras estiverem no Brasil, a ideia é que a companhia receba uma nova por mês, para chegar a 50 jatos em cinco anos.

Tripulantes

Com relação às equipes de voo, o CEO da empresa aérea, Tiago Senna, comentou recentemente que espera trabalhar com um alto índice de eficiência operacional, tendo 6,4 tripulantes por aeronave no primeiro momento. Isso significa que, para 10 aeronaves, ele precisa de um time de 64, que crescerá gradualmente na medida em que novas aeronaves chegam. Segundo Senna, a ideia é receber uma aeronave por mês, depois das 10 iniciais. Ele entende que a conta é justa, mas pondera que, no primeiro ano, não há férias e, portanto, ele consegue trabalhar com o time completo.

Quanto à remuneração, ele diz que a empresa fez um benchmark no mercado para chegar a um patamar justo, em algum lugar entre Azul e Latam, sendo que a última paga salários mais altos.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

GOL se posiciona contra o PL. 504, que proíbe publicidade com...

0
A GOL Linhas Aéreas se manifestou em uma publicação do LinkedIN do Propmark, se posicionando contra o Projeto de Lei 504/2020