Itapemirim contesta Associação de Credores e diz que ela espalha inverdades

Imagem: Itapemirim

O Grupo Itapemirim contatou o AEROIN a respeito das declarações dadas pela ACG Itapemirim, assinadas por seu presidente Paulo Marcos Adame. Da mesma forma como cedemos espaço para a ACG Itapemirim posicionar-se como direito de resposta a uma publicação anterior que fizemos, também permitimos a tréplica do grupo rodoviário, que está criando sua empresa aérea.

Como muitas das informações financeiras são confidenciais das partes, não conseguimos realizar um fact-checking completo. Portanto, ficam aqui os posicionamentos de ambos os lados. O assunto está sendo discutido na justiça, por meio do processo de Recuperação Judicial.

Leia a nota do Grupo Itapemirim

O Grupo Itapemirim informa que os 20 milhões citados [na carta da ACG Itapemirim que publicamos hoje mais cedo, como um direito de opinião] é referente aos pagamentos realizados no final do ano de 2020. O pagamento de todos os credores trabalhistas, habilitados no quadro geral, estão sendo quitados após tramites legais, ou seja, após a expedição de certidão de trânsito em julgamento das habilitações/divergência, vinculados a informação dos dados bancários, nos termos do plano de recuperação judicial.

Os investimentos no setor aéreo foram devidamente autorizados pelo Juízo da Recuperação Judicial, os quais, não afetam o cumprimento do plano, bem como que, em um momento de crise, a concretização de uma nova companhia aérea é um marco importante, visando, principalmente, a geração de empregos e o desenvolvimento econômico do país.

O patrocínio do Flamengo está em análise e negociação, mas não envolve valores comerciais, apenas permuta de serviços aos jogos que possam ocorrer fora do Estado do Rio de Janeiro, em ação de Co-branding entre as marcas.

A empresa reforça que o plano de Recuperação Judicial segue em pleno vigor, com cumprimento fiel de todos os pagamentos dos credores habilitados no quadro geral e os devidos tramites legais.

Nas falsas manifestações de Paulo Marcos Adame, os credores que ele supostamente representa, em sua grande maioria, e seu próprio débito, já foram quitados.

Paulo Marcos Adame, muitas vezes, atua em nome da família Cola, no intuito de causar tumultos e obstruir o prosseguimento da Recuperação Judicial. Diante de suas falsas afirmações nos autos do processo, ainda, pondera que Paulo Marcos Adame foi advertido pelo Juiz da Recuperação Judicial no final do ano 2020 de que qualquer nova manifestação, visando exclusivamente perturbar os processos, será penalizada por litigância de má-fé, podendo ser condenado com o pagamento de multa, bem como em indenização a favor do Grupo Itapemirim no percentual a ser arbitrado pelo Juiz, nos termos do artigo 81 e § 3º, do CPC.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias