Jasmin Airways diz sentir o aroma do sucesso com aviões da Embraer

O executivo Ali Ben Amara e sua equipe finalmente concluíram a implementação de seu projeto, orientado na diferenciação e complementaridade do transporte aéreo na Tunísia, com a operação dos dois primeiro Embraer E170 da Jasmin Airways.

A segunda aeronave foi entregue recentemente e está destinada a voos fretados. O executivo reforça que a empresa tem uma mentalidade voltada para o desenvolvimento e progresso, não para a competição e, portanto, a empresa adicionou alguns voos charter domésticos de Tunis para Enfidha e Djerba, além de outros destinos europeus, fazendo o que a maior empresa do país, a Tunisair, não faz e vice-versa.

Piloto como seu pai, Ben Amara cresceu em meio a aeronaves. Ele tem uma visão aberta e pragmática sobre o transporte aéreo na África. “Queremos ser competitivos e enviar um sinal positivo e boa imagem para o mercado através de um novo modelo de gestão. Queremos atender aos requisitos de padrão internacional com aeronaves totalmente adaptadas. Fizemos um levantamento minucioso de mercado e precificação para oferecer o melhor negócio aos nossos clientes “, disse ele.

Ele aproveita para dizer que sente-se otimista quanto à liberalização do céu tunisiano e do resto da África, na esteira do acordo de mercado único de transporte aéreo (SAATM). “Em cinco anos, teremos um céu totalmente aberto na Tunísia.”

O E170 se encaixou perfeitamente nos planos da Jasmin

A Jasmin escolheu o E170 porque diz que ele se adapta perfeitamente ao seu plano de negócios. Além dos voos fretados, a companhia aérea serve a localidades na Europa oriental e ocidental, chegando à Itália, Espanha e República Tcheca.

“Podemos garantir a rentabilidade financeira com aeronaves da Embraer nas rotas que a Jasmin Airways servirá. Uma terceira aeronave será entregue em breve (alugado a partir de Finnair). Em quatro anos, teremos o E190-E2 para consolidar e diversificar nossa rede. A filosofia da Jasmin Airways é simples. Oferecemos um treinamento completo com três anos de experiência. Os pilotos terão 1.000 horas de voo em uma aeronave Embraer com um contrato de três anos na Jasmin Airways “, disse ele.

Conectividade intra-africana

O CEO da Jasmin Airways também acha que é hora de uma nova abordagem no transporte aéreo dentro do continente para desenvolver conectividade intra-africana. “Precisamos de uma integração e cooperação eficientes entre empresas e fornecedores em relação à locação de aeronaves, seguros, manutenção e um sistema comum de gestão de combustíveis para o benefício econômico das companhias aéreas. Devemos trabalhar juntos para definir um pool para cada uma dessas atividades”, disse Amara

Ben Amara apoia uma economia mais liberalizada, um setor privado forte e investimentos estrangeiros, uma melhor infra-estrutura, boa governança, estabilidade política e paz sustentada para permitir que os países da região desbloqueiem plenamente o seu potencial.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.