Jatos regionais da Embraer completam 10 anos de voos na Argentina

Eis que uma década se passou. De volta no tempo, exatamente no dia 15 de setembro de 2010, Embraer e Aerolíneas Argentinas celebravam a entrega dos dois primeiros jatos Embraer E190 que seriam operados pela subsidiária Austral Líneas Aéreas. Mais do que uma simples entrega de aeronaves, tal evento marcava a entrada dos E-Jets no mercado argentino após alguma articulação política entre os então presidentes Lula e Cristina Kirchner.

Com isso, a Argentina encomendou em maio de 2009 um total de 20 E-Jets do modelo E190, que mais tarde viraram 26 unidades, todas elas configuradas com 96 assentos em duas classes: oito na executiva e 88 na econômica. À época, o contrato entre a Embraer e a Austral foi estruturado com o suporte financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Banco do Brasil.

Os jatos encomendados pela Austral eram do modelo AR (Advanced Range), de maior alcance, que podem voar 4.400 km (2.400 milhas náuticas) sem escalas. Com eles, a empresa passou a operar em rotas na Argentina, dando um grande salto operacional, já que, independente da rota doméstica, a empresa não precisaria mais fazer escalas. Além disso, os jatos passaram a ser empregados em voos regionais para mercados-chave como Chile e Brasil.

Hoje, a empresa mantém todos os jatos ativos em sua malha aérea, apenas temporariamente suspensa devido à Covid-19. No entanto, com uma idade média de 9,2 anos, eles ainda têm bastante lenha para queimar.

A título de curiosidade, apesar dos jatos regionais da Embraer terem sido introduzidos no mercado vizinho com essa encomenda, não foi a primeira vez que aviões brasileiros fizeram parte de frotas argentinas. O primeiro exemplar foi um Embraer 110 “Bandeirante” que voou pela antiga empresa aérea LAPA.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias