Jumbos da Lufthansa são proibidos de decolar do local em que foram armazenados

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Seis Boeings 747-400 da Lufthansa, estacionados por um longo período de estocagem no aeroporto Twente, na Holanda, estão presos no local após terem sido proibidos de decolar novamente.

Lufthansa 747-400 Aeroporto Twente Holanda
Imagem: Roy053 / Youtube

Desde sua chegada em julho de 2020, a perspectiva era a de que eles fossem desmontados no próprio aeroporto, que conta com empresa especializada neste tipo de serviço. Porém, o proprietário das aeronaves decidiu que o processo será feito em outro lugar. E aí é que surgiu um grande problema.

A autoridade holandesa ILT (Inspectie voor Leefomgeving en Transport), que cuida das questões de transportes e meio ambiente no país, informou que não autoriza a decolagem de aviões tão grandes como o Jumbo, pois o aeroporto não é preparado para oferecer condições seguras para a operação.

“Aeronaves de grande porte podem pousar no Aeroporto de Twente, mas apenas para desmontagem. A infraestrutura e os procedimentos de partida não foram aprovados para operações de equipamentos desse porta, portanto as aeronaves da Lufthansa estão legalmente presas”, informa a ILT, segundo reporta o portal holandês Tubantia.

Aeroporto Twente Holanda Vista Aérea
Aeroporto de Twente – Imagem: FlightRadar24 / Google Maps

O Aeroporto de Twente e a ILT ainda estão discutindo o que pode ser feito, mas o aeroporto informa que já iniciou um processo judicial. Três aviões deveriam partir na semana atual.

Se nenhuma decisão ou acordo for feito, o aeroporto dará andamento no processo, na esperança de poder dar sequência na operação dos Boeings 747. Veja no vídeo a seguir a chegada de três dos Jumbos em Twente.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Ouça o que disse o presidente da Gol a bordo do...

0
O presidente da GOL Linhas Aéreas, Paulo Kakinoff, falou ontem durante o primeiro voo do Boeing 737 MAX modificado com passageiros no Brasil.