Justiça condena VOEPASS a pagamento de multa por atraso nos salários

A companhia aérea VOEPASS atrasou os salários de março de seus funcionários e agora foi condenada na justiça a pagamento de multa.

Segundo o Sindicato Nacional dos Aeronautas, o qual moveu a ação contra a Passaredo Linhas Aéreas (VOEPASS), a Justiça do Trabalho condenou em primeira instância ao pagamento de multa pelo atraso no pagamento da parcela variável dos salários referente ao mês de março de 2020, além de multa pelo atraso no pagamento das diárias de alimentação também do mês março.

Em ambos os caso, o pagamento deverá ser cumprido por ocasião da liquidação da sentença, após o trânsito em julgado da ação. A sentença em primeira instância também condenou a empresa a respeitar as datas de pagamento dos salários futuros dos tripulantes, confirmando uma decisão liminar de setembro deste ano.

O Sindicato lembrou que existe um acordo coletivo para mudança das datas de pagamentos dos salários, e que como a sentença é de primeira instância, cabe recurso por parte da VOEPASS.

Entramos em contato com a VOEPASS para saber mais detalhes do assunto a empresa enviou a seguinte nota:

A VOEPASS Linhas Aéreas informa que ainda não tem conhecimento da decisão. A empresa ressalta que firmou acordo coletivo com seus colaboradores e vem honrando o pagamento de seus salários frente a maior crise da história da aviação.

Mesmo com 100% de suas operações paralisadas, entre 23 de março e 03 de julho de 2020, manteve 100% do seu quadro de colaboradores tendo focado seus esforços em retomar a operação aérea regional que serve de infraestrutura de desenvolvimento para o País.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Boeing 737 MAX tem um contratempo no primeiro dia de operações...

0
A WestJet, empresa fundada pelo brasileiro David Neeleman, teve problemas no primeiro dia de retorno das operações com o Boeing 737 MAX.