KLM determina data para o fim das operações com o jumbo Boeing 747

Avião Boeing 747-400M combi KLM
Imagem: BriYYZ [CC] via Wikimedia

Em março, já com a pandemia decretada, a KLM anunciou que aposentaria seus Jumbos de passageiros definitivamente. Naquele momento, parecia tratar-se do fim da gloriosa “Rainha dos Céus”, apelido pelo qual o Boeing 747 é conhecido mundialmente, nas cores da empresa holandesa. Apesar de a empresa já haver feito o voo final com passageiros, as coisas tiveram uma reviravolta.

Semanas depois do voo de despedida, a empresa reverteu a decisão pela aposentadoria devido à alta demanda por frete, tendo vindo a fechar até um um contrato com a Philips para voos de carga, o que deu uma sobrevida ao jumbo.

No entanto, essa era parece chegar agora ao fim agora. Segundo o AeroBuzz, a KLM definiu que em 25 de outubro de 2020, encerra o capítulo “Jumbo Jet” em sua história, quando o voo KL894, vindo de Xangai pousar em Amsterdã.

747 Combi

Atualmente, três Boeing 747-400 Combi constam como ativos na frota, os que levam as matrículas PH-BFT, PH-BFV e PH-BFW. Segundo dados do FlightRadar24, todos eles têm voado quase que diariamente para a China, como parte do contrato com a Philips, mas também devido a demandas de outras empresas e trazendo importações em geral para a Holanda. Embora eles tenham assentos de passageiros devido à sua configuração, os voos estão acontecendo com fim exclusivo ao transporte de carga.

A KLM foi uma das grandes operadoras do Jumbo e recebeu a primeira unidade em 1971, da variante 747-200. Em sua história, operou dezenas de jumbos Combi. O nome é uma abreviação da palavra inglesa combined (passageiros + carga). O motivo da KLM optar por essa incomum versão do Jumbo é simples: as rotas especiais.

A Holanda conta com diversos territórios ultramarinos como herança da época colonial, sendo a maioria deles no Caribe. Alguns ganharam independência, como o Suriname, e outros ainda são parte do Reino como as Antilhas, famosas na aviação pelo Aeroporto de Saint Maarten, onde o 747 reinou por anos.

Para atender a estas localidades, que possuem forte conexão com os Países Baixos, o 747 Combi se tornou o produto ideal, afinal, a demanda por carga é grande por serem locais mais isolados.

O Boeing 747-400M Combi da aérea holandesa levava 268 passageiros além de 32 contêineres do tipo LD1. Já a versão normal tem capacidade para 408 passageiros. Para saber se o Jumbo da KLM é ou não Combi basta olhar para a traseira da fuselagem no lado esquerdo, as versões Combi possuem uma porta de carga para facilitar o carregamento.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias